Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A Prefeitura de Londrina, por meio da Secretaria Municipal de Gestão Pública (SMGP), recebeu, na última sexta-feira (19), a visita de representantes da Prefeitura de Maringá, que atuam nas áreas de gestão de processos e de tecnologia. O motivo do encontro foi o interesse dos maringaenses em conhecer mais sobre a metodologia e implantação do Sistema Eletrônico de Informações (SEI), utilizado pelo Município de Londrina, desde 2015, para tramitar processos administrativos, documentos e informações.

No encontro, foram apresentados dados referentes ao SEI, desde sua implantação até a utilização atual na Prefeitura de Londrina. A plataforma digital foi cedida ao Município, a custo zero, pelo Tribunal Regional da 4ª Região (TRF-4) e instituída pelo decreto municipal nº 1.219, de 21 de setembro de 2015. Por meio desta plataforma digital, as secretarias municipais podem acompanhar o andamento completo dos processos, em tempo real, durante 24 horas, realizando as assinaturas necessárias de forma concomitante.

A diretora de Gestão de Informações e Arquivo Público da SMGP, Fabiana Borelli Amorim, ressaltou que uma das características mais importantes do SEI, enfatizada durante o encontro, é que não se trata apenas de uma nova ferramenta, mas sim, representa uma mudança de cultura de processo de trabalho para a construção de sistemas públicos. “O SEI é utilizado em diversos órgãos públicos e vem, em todo o Brasil, trazendo benefícios aos processos de gestão administrativa neste setor. Nosso papel é contribuir com a propagação deste sistema, reforçando também a importância de um ambiente colaborativo entre os municípios”, disse.

Segundo Marcio Horaguti, gerente de Informações da Diretoria de Gestão de Informações e Arquivo Publico (DGIAP), da SMGP, o Sistema SEI chamou a atenção da gestão de Maringá por ser, além de uma ferramenta totalmente informatizada e que não gera gastos, um instrumento que possibilita a integração dos dados. “O SEI proporciona mais segurança, transparência e celeridade a todas as etapas dos procedimentos, além de trazer mais economia com a eliminação do uso de papel. Mostramos a eles a nossa experiência, reforçando o conceito e apresentando números e resultados, além da maneira como o SEI foi instalado e parametrizado”, afirmou.

Os representantes de Maringá saíram da visita muito satisfeitos com o que lhes foi apresentado a respeito do SEI e demonstraram grande interesse em implantar este recurso informatizado na administração municipal da cidade. “Ficamos encantados com a apresentação do projeto e muito motivados com o amor com que os servidores de Londrina construíram esse processo. Certamente, nós iremos tentar implantar isso em Maringá, sabendo que podemos contar com pessoas como essas que nos atenderam nesta reunião”, destacou o diretor de Gestão de Processos da Secretaria de Gestão (SEGE), Marco Antônio Lopes de Azevedo.

Também participou da reunião, Cristiane Lara, da Diretoria de Tecnologia da Informação (DTI) da Prefeitura de Londrina. Representando a Prefeitura de Maringá, estiveram presentes Douglas Galvão Vilardo, Edilene Silva, Nelson Pereira da Silva e Marcela Sayuri Tsuzuki e Ricardo Wagner Teixeira, membros da Secretaria Municipal de Gestão; e Edson Paliari, da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana.

Dados sobre o SEI – A implantação da ferramenta faz parte da modernização promovida pela Secretaria Municipal de Gestão Pública com o auxílio da Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Tecnologia. De janeiro até maio de 2017, foram abertos mais de 29 mil processos pelo SEI. Deste total, foram gerados 93 mil documentos que compõem tais processos.

Atualmente, 88 tipos processuais estão disponíveis na ferramenta. Entre eles, todos os processos licitatórios do Município de Londrina, cem por cento dos processos da Procuradoria-Geral e da Controladoria-Geral, além de processos das secretarias municipais de Fazenda, Gestão Pública e Governo.

Com apenas 10 meses de uso do SEI pela Procuradoria-Geral (PGM), houve uma redução de 36% de uso de papel nos processos. Nos processos licitatórios, essa diminuição foi de 48%. A PGM também economizou com serviços de correio, conseguindo reduzir 42% destes custos. Houve também uma redução considerável, de 56%, no tempo para a realização de consultas jurídicas.

N.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios