Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Município de Porecatu, no Norte-Central do estado, deverá fornecer de imediato, gratuitamente e de forma ininterrupta, suplementos alimentares para 38 pessoas, entre crianças e idosos, bem como àquelas que futuramente necessitem, conforme critérios de renda familiar, idade e problemas de saúde (já adotados pela municipalidade). Foi o que determinou liminarmente a Vara da Fazenda Pública da comarca, a partir de pedido formulado em ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público do Paraná, a partir da 2ª Promotoria de Justiça local.

O MPPR ajuizou a ação após constatar que desde dezembro de 2020 o Município havia parado de fornecer a necessária suplementação a pessoas que dela necessitam por questões de saúde, alegando haver um procedimento licitatório em curso para aquisição dos produtos. Entretanto, o Município sequer comprovou no processo a existência de tal licitação.

Considerando o “risco da ocorrência de danos à saúde e à própria vida dos pacientes, como crianças, pessoas com deficiência e idosos, em decorrência da descontinuidade de tratamento médico pela ausência de suplementação nutricional indispensável”, a decisão judicial estabeleceu prazo de dez dias para que o fornecimento seja restabelecido, sob pena de multa de R$ 1 mil por descumprimento até o limite de R$ 3 mil por pessoa não atendida, sem prejuízo da responsabilidade pessoal a quem der causa ao atraso.

Processo número 0000884-53.2021.8.16.0137.

Ascom/MPPR

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.