Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Gestores e servidores que formam a rede de proteção à infância e à adolescência de Tamarana participaram de uma oficina sobre justiça restaurativa conduzida pela juíza da Vara de Adolescentes em Conflito com a Lei da comarca de Londrina, Claudia Catafesta, e pela advogada criminal Claudia Bilachi. Ambas atuam como facilitadoras e mediadoras dessa técnica.

A justiça restaurativa trata-se de uma ferramenta que, baseada em rodas de conversa mediadas por facilitadores, busca resolver conflitos de forma pacífica e consensual. "Vai ao encontro do que a ONU [Organização das Nações Unidas] propõe como [um dos] objetivos do milênio, que é construir uma sociedade em que a cultura de paz prevaleça. É um trabalho de formiguinha, mas que pode dar bons e belos resultados", avaliou a juíza ao fim da oficina.

Há cerca de um mês, a magistrada já havia participado de uma reunião inicial para apresentar a proposta para as secretárias de Assistência Social e de Educação e alguns membros da rede de proteção.

"Nós tivemos uma primeira reunião no início de janeiro com total receptividade da gestão municipal. Voltamos para fazer esse encontro e sensibilizar a rede de proteção em relação à importância do diálogo como ferramenta de composição de conflitos", contou Claudia Catafesta.

Em Londrina, conforme ela, a iniciativa começou a ser implantada em 2014 e já tem gerado mudanças positivas em ambientes como escolas municipais e nos Centros de Socioeducação (Censes) do município.

"A implementação tem sido gradual porque a cidade é grande, mas tem dado excelentes resultados, tem escolas-piloto demonstrando isso. [...] Há um trabalho muito efetivo na área socioeducativa, que é a minha área de atuação, em que nós conseguimos praticamente eliminar a violência física dentro de unidades de internação de adolescentes", relatou a juíza.

Participantes

A oficina agregou 18 instituições, órgãos e setores locais. Ela ocorreu na sala de reuniões da Unidade de Atenção Primária à Saúde (UAPS) Padre Carmel Bezzina, no Jardim Juny, ao longo da segunda-feira (17).

Estiveram presentes representantes das secretarias municipais de Assistência Social, Educação, Fazenda e Saúde; escolas municipais Professora Iracema Torres Rochedo e Professora Taeko Lima Almeida; Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Criança Esperança; Projeto Educando, Brincando e Formando Cidadão; Projeto Solipar; Colégio Estadual Professora Maria Cintra de Alcântara (Cemca); Conselho Tutelar; Casa Lar municipal; Centro de Referência de Assistência Social (Cras) Professora Sueli Dias de Paula Oliveira; Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas); Hospital Municipal São Francisco; Unidades de Atenção Primária à Saúde (UAPS) Plínio Pereira de Araújo e Padre Carmel Bezzina e da Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Tamarana.

NCPMT

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.