Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Concurso Pingo D'Água premiou iniciativas da rede municipal de ensino de Tamarana pelo segundo ano consecutivo. E, dessa vez, a conquista veio em dose dupla.

A professora Sônia Cardoso Massoni e sua turma do 4º ano matutino da Escola Municipal Professora Taeko Lima Almeida obtiveram o terceiro lugar da edição de 2019 na categoria de projetos.

A docente e os estudantes desenvolveram ao longo deste ano o projeto "Preservando nossas minas e nascentes para contemplação contínua de nossos rios". Entre as ações realizadas, eles exploraram uma mina d'água recuperada, um açude e os rios Apucaraninha e Tibagi.,

"Como Tamarana é bem rica em rios, pensei em levar as crianças para conhecer de onde eles vêm: das nascentes. Realmente, não é só um passeio. O objetivo maior era levar eles para ver, tocar, sentir e preservar", explicou a professora.

A educadora, aliás, acabou surpreendida pela própria sala: ao pedir que a garotada escrevesse frases sobre o que viram nas atividades práticas, os alunos foram além e produziram poemas a respeito da importância da preservação das águas.

A classe ainda praticou formas de combater a poluição das águas ao colaborar com duas campanhas: a "Na Minha Rua Mora um PET", ação voluntária que teve início em Tamarana para arrecadar tampinhas de garrafas PET em prol da causa animal, e a "Eu Ajudo na Lata", da Unimed Londrina, para recolher lacres de alumínio que, por sua vez, são revertidos em cadeiras de rodas.

"A gente teve retorno bastante positivo [dos alunos]. O conhecimento que adquiriram vai ficar para eles como um aprendizado. Para a vida inteira eles têm que ter consciência para onde vai o lixo das coisas que consomem [...] Eles ficaram apaixonados pelo meio ambiente e pela vida", concluiu Sônia Cardoso Massoni, que foi premiada pelo concurso com um notebook.

O projeto vencedor nesta categoria foi o "Mãe Terra", da turma da professora Fátima Regina, da Escola Municipal Maria Do Carmo Campos, de Rolândia. Já a segunda posição ficou com o projeto "As Belezas; Os Problemas e Soluções Ambientais na Bacia do Rio Tibagi", da classe da professora Eliane Gomes da Silva, da Escola Municipal Princesa Isabel, de Jataizinho.

Foto premiada

Ainda na edição de 2019 do Pingo D'Água, a estudante Eloara Kauane Gonçalves da Silva, de 10 anos, do 4º ano A matutino da Escola Municipal Professora Iracema Torres Rochedo, conseguiu a terceira colocação entre as melhores fotos da Bacia do Rio Tibagi.

Educanda da professora Rosineis Salvador Picholi, a garota fez uma foto da Cachoeira da Viúva, no Rio Lambari, em Sapopema, cidade onde moram seus avós maternos. Além de ver sua imagem ser ampliada e estampar um quadro (e levá-lo para casa), ela também ganhou uma bicicleta. "Água Essencial Para A Vida" foi o nome dado para a fotografia.

A foto que conquistou o 1º lugar foi feita pelo estudante Daniel Moraes de Souza, da Escola Municipal do Campo São Judas Tadeu, de São Jerônimo da Serra. Ele registrou a imagem intitulada "Nas Curvas Sinuosas, Lá Vai o Rio".

Já a 2ª colocação ficou com a aluna Kamily Ohana Freitas Martins da Luz, da Escola Municipal Castro Alves, de Telêmaco Borba, que produziu a fotografia batizada de "Quando Preservada a Natureza nos Presenteia Com Sua Beleza".

Conforme a secretária de Educação, Cultura e Esportes do município, Maisa Nakata, a pasta já vem trabalhando desde 2017 com o propósito de ampliar a participação da rede municipal de ensino de Tamarana em iniciativas como o Pingo D'Água.

"É bom para os professores e para os alunos, porque são atividades que já estão dentro da área curricular de cada educador e que já estão dando resultado", afirmou a gestora, que salientou que, para 2020, a secretaria estima aumentar o número de projetos colocados em prática.

Copati 30 anos

A premiação do Pingo D'Água 2019 ocorreu no último dia 12, no Grêmio Esportivo Cacique, em Londrina. O concurso é organizado pelo Consórcio Intermunicipal para a Proteção Ambiental do Rio Tibagi (Copati), que, neste ano, completou 30 anos de fundação. A entidade é composta por órgãos públicos como prefeituras de cidades banhadas pelo rio e empresas (entre elas, a Tamarana Tecnologia e a Klabin).

"[Estamos construindo] relações humanas, relações que sejam de construção, de ajuda. É a nossa contribuição singela, mas fundamental, para transformação da nossa realidade", avaliou o presidente do Copati, Luiz Figueira de Mello, ao discursar sobre as três décadas de trajetória do grupo.

"Sem o apoio dos professores, que são a base desse processo educacional, nós não teríamos o resultado que tivemos ao longo desses 30 anos, com formação de mais de 200 mil alunos", prosseguiu ele.

Tamarana está no consórcio desde 2003 e o primeiro prêmio do município veio em 2018, quando Jhennifer Isabelle Oliveira, então estudante da Escola Municipal Professora Taeko Lima Almeida, venceu na categoria de fotos. Ela capturou uma imagem de seus colegas de classe em contato com as águas do Rio Apucaraninha, durante visita da turma à Estância Cachoeira.

Lucas Marcondes Araújo/NCPMT

Clique nas fotos para ampliar

NAS CURVAS SINUOSAS LÁ VAI O RIO
QUANDO PRESERVADA A NATUREZA NOS PRESENTEIA COM SUA BELEZA
ÁGUA ESSENCIAL PARA A VIDA
COMITIVA DE TAMARANA EM PREMIAÇÃO DO COPATI
KAUANE GONÇALVES DA SILVA - TERCEIRO LUGAR DA CATEGORIA FOTOGRÁFICA
PROFESSORES PREMIADOS POR SEUS PROJETOS AO LADO DE MEMBROS DO COPATI

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios