Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Projeto é dedicado a todos que perderam pessoas importantes nesse período de pandemia e quarentena, incluindo a artista que precisou lidar com a partida de seu pai

Pronta para uma série de lançamentos previstos para esse ano, Elisa Mais acaba de divulgar videoclipe para a inédita “Luas pra Tantas Faces”. A faixa, disponível em todas as plataformas digitais, marca a estreia da cantora como produtora musical, em parceria com o amazonense Bruno Prestes, e tem as participações especiais da baterista carioca Larissa Conforto, que assina atualmente como Àiyé, e do vocalista/pianista Ian Fonseca, da banda Supercolisor.

Composta há pelo menos três anos, a canção já refletia sobre uma certa estranheza com os tempos atuais. Na letra, mesmo que sensorialmente, a artista fala sobre ‘tentar escapar de desconfortos já instalados pela manhã’. Logo em seguida, ela decreta: “ou muda a vibe ou muda a atmosfera”. “Mesmo admitindo angústia, seja nessa mensagem literal ou no clima denso que o registro traz, acredito que expor vulnerabilidade fortalece minha humanidade e aponta caminhos para a redenção. Inclusive, como mulher negra que sou. Quero que esse trabalho seja trilha sonora para quando precisamos pensar em mudanças possíveis ou perceber que uma história ruim também pode ter novas formas – realistas e positivas - de serem vividas e contadas”.

Na estrutura melódica-harmônica, retratos “brincam” com altos e baixos. “Tudo começa com uma sequência simples de acordes menores que vão alcançando novas camadas, reforçando a ideia de que vivermos – em um só dia - inúmeras emoções”.

Somando quase 5 minutos, ‘Luas pra Tantas Faces’ segue um clima anos 90, aliando guitarras pesadas e sujas à vocais com influência R&B, costurados por programações eletrônicas que remontam drum’n’bass e bases de reggae.

Entre as principais referências, nomes que vão de Alanis Morissette, Gwen Stefani, Fiona Apple, Lauryn Hill, TLC, Brandy & Monica até Nação Zumbi e bandas amazonenses como Charlie Perfume e Deskarados. 

Para a versão audiovisual, Elisa Maia - que em 2019 deixou o Centro de Manaus para voltar à zona norte, periferia da cidade onde passou toda a adolescência e início da vida adulta - escolheu a casa recém construída no terreno da família para ambientar seu primeiro videoclipe. A sala ampla e branca, o quintal arborizado, a laje e todas as raízes cotidianas foram locações perfeitas para a produção.

Entre uma imagem e outra, traços de uma atmosfera glamourosa, lunar, azul, mas ao mesmo tempo extremamente íntima, como quem sai do banho de toalha na cabeça. Em contraponto, uma implacável cortadora de verduras habita o local, exibindo suas armas, dançando, se deliciando, ritualizando com frutas e café. Para fechar, retratando com alguma fidelidade, o bairro onde vive (Cidade de Deus) num entorno cheio de casas em paredes de tijolo sem rebocos e os limites verdes que levam à maior floresta em área urbana do país, a 100 metros dali.

O pai da cantora, Rosalvo, ou Seu Baiano como era conhecido, que nos últimos anos vinha debilitado por conta de doença cardíaca, participou das filmagens dando suporte à equipe. Ele faleceu no dia 31 de maio deste ano. O videoclipe ‘Luas pra Tantas Faces’ é dedicado à ele e a todos que perderam pessoas importantes nesse período de pandemia e quarentena.

Denso, etéreo e transformador, o projeto audiovisual teve direção de Victor Kaleb, fotografia de Robert Coelho e concepção de arte e figurino por Anália Nogueira. Samya Carvalho assina a montagem e Marcelo Rodriguez a correção de cor.

A Track foi mixada por Rafaela Prestes e masterizada por Fernando Sanches, no Estúdio El Rocha.

Ouça e assista aqui: https://youtu.be/P0Z3lNmO-Tk

Elisa Maia

Cantora, compositora e produtora cultural, Elisa Maia, nascida em Manaus, capital do Amazonas (Brasil), é toda feita de música.

Filha de pais que cantavam na igreja, assim que pôde já reproduzia as canções com eles em números especiais aos domingos. Aos 8 anos. iniciou seus aprendizados no Centro de Artes da Universidade Federal do Amazonas - CAUA, onde durante 10 anos estudou piano, flauta e violão. Também participou desde criança de corais, mais tarde sendo regente. Aos 21 anos, iniciou sua trajetória artística, integrando a banda amazonense de reggae Johnny Jack Mesclado. Com o grupo, circulou por diversos Estados brasileiros e gravou dois álbuns (‘Que Jah Abençoe’ e ‘Luz de Raíz’). Ainda compondo o projeto, Elisa cursou a faculdade de Arquitetura e Urbanismo, chegando a atuar na área. Mas, em 2010, deixou a Arquitetura definitivamente e além de se dedicar à carreira musical, passou a integrar o grupo Coletivo Difusão, com quem até hoje desenvolve projetos na área da cultura como o Festival Até o Tucupi que há 14 anos acontece ininterruptamente e o Festival Somas _ Parada Musical de Mulheres, que em 2018 e 2019 propôs um espaço de reflexão e difusão das artes, 100% protagonizado por mulheres na cidade de Manaus/AM. Em 2013, já em seu trabalho solo, lançou o EP ‘Ser da Cidade’, com 05 músicas, todas compostas por ela, gravadas e produzidas em Belém/PA, pelo inventivo produtor Leo Chermont (guitarrista do duo Strobo). O EP também contou com mixagem e masterização por Alex Moreira (RJ), da banda Bossacucanova. Ainda em 2013, Elisa Maia saiu em turnê apresentando seu ‘Ser da Cidade’, numa circulação inédita, percorrendo 06 capitais da região norte - Belém/PA, Macapá/AP, Porto Velho/RR, Rio Branco/AC, Boa Vista/RR e Manaus/AM -, numa jornada de 10 dias e quase 15 mil quilômetros percorridos. Desde 2017 a artista vem compondo e produzindo músicas novas que serão lançadas ainda em 2020.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.