Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Já destaque da cena poética do slam, multiartista apresenta seu trabalho de estreia musical no Dia da Consciência Negra

Com cinco livros lançados, a baiana Patrícia Meira é uma das poeta mais respeitadas no cenário de competição de poesia falada, sendo grande finalista e destaque do Slam BR, Campeonato Brasileiro de Poesia Falada em 2018 e campeã do Campeonato Argentino de Poesia Falada em 2019. Agora, na música, ela surge embalada por uma sonoridade poética-techno-brega que vem para empoderar mulheres através de reflexões de autoestima e valorização própria, enaltecendo o poder da voz, autonomia e liberdade feminina.

Tendo isso em mente, abre seus caminhos divulgando hoje – no Dia da Consciência Negra – a inédita “Deus é Mais”, produzida por Carol Vidal e Lika Rosa. A faixa já está disponível em todas as plataformas digitais e sua versão audiovisual conta com acessibilidade em libras interpretada por Greicy Santos.

“Esse som é um jeito descontraído e bem realista de mandar o ex embuste meter o pé da sua vida. A ideia é que mulheres que vivem em relacionamentos abusivos com seus companheiros ou companheiras não se privem de absolutamente nada”, pontua.

"Deus é Mais" é a primeira música de uma sequência de lançamentos previstos por Patrícia Meira para 2021. Ao todo, serão 6 novas músicas para trazer leveza e descontração para o cenário que estamos vivenciando.

No videoclipe produzido para a faixa, imagens da cantora são projetadas em diversas cidades do mundo, ambientando a narrativa de superação proposta pela letra e marcando mais um importante passo para a representatividade das mulheres artistas pretas e nordestinas.

Ouça e assista aqui: https://youtu.be/6V1mBeyHabw

Patrícia Meira

Patricia Meira é poeta, produtora cultural, slammer, romancista, roteirista, compositora, oficineira e afroempreendedora.

Nascida no interior da Bahia, em Itajuípe, se mudou para São Paulo aos 20 anos de idade.

Escreve desde criança, mas aos 14 anos destruiu tudo que tinha e só em 2014, durante os quatro anos que morou no Rio de Janeiro, reatou sua relação com a escrita.

Assim que retornou para São Paulo, começou a frequentar o Sarau Movimento Aliança da Praça (MAP) e foi por incentivo dos amigos que começou a participar dos slams (campeonatos de poesia falada).

Em setembro de 2016, participou pela primeira vez de uma edição do Slam da Guilhermina e ganhou. Foi a partir desta competição que ela foi escrevendo sua história nos slams.

Quando escreve, Patrícia faz bastante uso das vírgulas. Ela acredita que finalizar um texto com vírgula não é erro e sim a certeza de que sempre há o que dizer, sentir e viver.

Patricia Meira foi vice-campeã do Slam SP, Campeonato Paulista de Poesia Falada em 2018, grande finalista e destaque do Slam BR, Campeonato Brasileiro de Poesia Falada em 2018 e campeã do Campeonato Argentino de Poesia Falada em 2019. É também autora de quatro livros de poesia: "Por amar outra mulher, Resisto" (2018), "É amor que você quer? Então Toma!" (2018), "Impressões" (2018), "Manual da Imoralidade" (2019) e o romance "Emaranhado" (2019).

É slammaster do Slam DiVersos, integrante e produtora do Coletivo Alcova, organizadora, MC e performer do Sarau Alcova da Deusa, slammaster do Slam Juvenil Pira VDC, idealizadora e produtora do coletivo, selo e sarau PIB - Poesia Interna Bruta que publica crianças e adolescentes de dez até quinze anos de idade, diretora e roteirista da websérie "Na Alcova da Deusa", roteirista do curta "A um Bairro de Distância" pelo projeto Corona na Quebrada em parceria com Perifalions.

Idealizadora, diretora e roteirista do espetáculo "REAJA", com o Coletivo Alcova que mistura samba de raiz e poesia. Idealizadora, diretora e roteirista do espetáculo "Filhos do Orun" que combina teatro, música e poesia. Idealizadora e compositora do espetáculo de sertanejo e poesia "Entre o Verso e o Copo", junto com Lika Rosa e Mariana Felix, parceiras também do espetáculo "Mulheres Plurais" que envolve MPB e poesia. É integrante, compositora e poeta do espetáculo "Samba Poética" que combina samba, poesia e ancestralidade.

Atualmente, como primeira cantora preta do sertanejo atual, dedica-se a uma série de lançamentos agendados para 2021.

Yasmim Bianco/Asimp

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.