Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Fundamental para o desenvolvimento do engajamento social ou voluntariado fazer com que as ações passem a ser vistas de forma estratégica, pelas organizações, empresas e governos em todas instancias, assim teremos o desenvolvimento pleno e vigoroso que desejamos para o assunto em nosso país.

A partir de seu desenvolvimento teremos o mesmo acontecendo com muitas organizações, a abertura de portas das administrações municipais, estaduais e federal para o voluntariado, assim conseguindo mais apoio da sociedade e a crítica com critérios (como ouvi hoje em um treinamento que estava ministrando) além de uma participação mais efetiva do cidadão.

Com o desenvolvimento estratégico do voluntariado teremos resolvido de forma definitiva algumas questões fundamentais, como a doação de sangue que deixaria de ter déficit e passaríamos a ter superávit, pois teríamos o número necessário de doadores, organizações deixariam de ter problemas com falta de profissionais ou de atividades para seus assistidos, pois teríamos pessoas suficientes para atender as demandas, muitas ações de cultura seriam criadas, hospitais teriam diversas funções atendidas por voluntários.

Uma utopia? Sim, neste momento, mas não impossível, pois com uma mudança de postura frente ao assunto, pelo qual trabalho com muitos outros entusiasta pelo no Brasil, será possível criar esta condição favorável e termos um movimento agudo, mas permanente de voluntariado.

Importante para a sociedade, importante para as organizações e fundamental para o desenvolvimento de nosso país, que se tornaria mais solidário ainda, só que de forma estruturada, mais amistoso, mais colaborativo e mais criativo, assim o trabalho voluntario terá seu papel de destaque em nossa formação de nação.

Para ser visto assim, de forma estratégica, passo fundamental é o terceiro setor começar a falar mais sobre o assunto, pois se os principais interessados não falam de voluntariado, quem o fará.

Está na hora de virarmos o jogo para o bem, para fazer acontecer uma revolução cidadã, uma revolução voluntária, onde muitos serão chamados e muitos serão os escolhidos com certeza, pois trabalho voluntário, existe para todos aqueles de boa vontade. Com o perdão das brincadeiras com o texto, há trabalho para todos aqueles que forem contaminados pelo assunto. Depende de nós uma contaminação mais extensa. Vamos espalhar este vírus?

Roberto Ravagnani é palestrante, jornalista (MTB 0084753/SP), radialista (DRT 22.201), conteudista e Consultor especialista em voluntariado e responsabilidade social empresarial. Voluntário palhaço hospitalar desde 2000, fundador da ONG Canto Cidadão, Associado para o voluntariado da GIA Consultores no Chile, fundador da Aliança Palhaços Pelo Mundo, Conselheiro Diretor da Rede Filantropia, sócio da empresa de consultoria Comunidea e Membro Engage for business. www.robertoravagnani.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios