Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

36ª Mostra Afro Brasileira Palmares Londrina promove a economia solidária com o Quilombo Cultural de Afro Empreendedores, que tem inscrições até 7 de novembro. Atividade também celebra o aniversário de 87 anos de Londrina.

Entre 19 a 21 de novembro e 2 a 10 de dezembro, acontece na Biblioteca Pública de Londrina (Av. Rio de Janeiro, 413) o Quilombo Cultural de Afro Empreendedores. As inscrições, no site imecab.com.br, vão até 7 de novembro. A ação está inserida nas programações da 36ª Mostra Afro Brasileira Palmares Londrina, que também abrigará a 5ª Mostra de Música Afro Brasileira. As atividades são organizadas pelo IMECAB e trazem a Londrina artes visuais, literatura, música e demais manifestações artísticas, que celebram novembro, o Mês da Consciência Negra.

O evento pretende reunir pessoas que comercializam bens, produtos ou serviços ligados a cultura afro. Segundo um dos organizadores, Stanley Kennedy Garcia, a feira de economia criativa é uma possibilidade de trabalhar e comercializar produtos de moda, designer, artesanato, livros e demais tipos de material cultural, além de gerar renda para cerca de 40 empreendedores em Londrina. “O Quilombo Cultural de Afro Empreendedores tem seu propósito ligado não apenas a cultura negra, que é entranhada na sociedade. Mas é amploe abriga elementos da cultura indígena e da cultura popular brasileira, como artesanato, literatura, gastronomia, moda, estética e música. A feira é baseada no quilombismo, algo genuinamente negro queremonta uma economia anterior aos europeus empreenderem conflitos de naturezas econômicas e das teorias doliberalismo, socialismo e economicismo. Os quilombos desenvolveram uma economia de resistência que visava a sobrevivência de um grupo: os escravos que fugiam das fazendas de café e de cana e se adentravam nas matas. Ali se criavam os quilombos, com a prática da agricultura, pesca e trato dos animais. Construiu-se uma subsistência pelos escravos fugitivos que desobedeciam a estrutura econômica atual em prol de beneficiar o coletivo”, cita.

A cultura afro faz parte do cotidiano brasileira. Um dos estudiosos e defensor da causa foi o professor, político e ativista Abdias do Nascimento, falecido em 2011 no Rio de Janeiro. Ele idealizou estudos e pesquisas relacionadas a população negra, onde observou o negro num novo lugar da economia após os quilombos, vendo sua liberdade ligada as necessidades materiais de alimentação, moradia, vestuário e saúde. “Os bens sociais produtivos de maneira geral são ligados a visão moderna da economia criativa. Isso torna-se patrimônio histórico e cultural, que na modernidade se preserva não apenas com ações, mas pelas mídias sociais, recursos como rádio, televisão, literatura, artescênicas, artesanato, designer, gastronomia e tudo mais que é considerado economia criativa. Essa é a essência do Quilombo Cultural de Afro Empreendedores: garantir a inclusão de pessoas negras através de uma feira que comercializa cultura”, declara

Embora afro, O Quilombo Cultural de Afro Empreendedores tem um apelo de feira e visão comercial que traz a identidade negra. A 2ª fase, de 2 a 10 de dezembro, comemora o aniversário de 87 anos de Londrina. “Nas duas datas serão eventos abertos em frente a Biblioteca Pública de Londrina. Há uma estrutura para abrigar oficinas, palestras, praça de alimentação, eventos musicais e artísticas durante a feira”. Stanley ressalta que no site imecab.com.br existe um edital, que vence em 7 de novembro, onde pessoas ligadas a cultura negra, sendo física ou jurídica, que desejam trazer o produto na feira, devem se inscrever. “É uma espécie de laboratório ou experiência que fazemos. Se der certo ela pode ser tornar mensal e entrar no Calendário Oficial do município. Pensamos em fazer no Bosque, que está de cara nova. Mas não sabemos quando acaba a reforma. De qualquer forma solicitamos a interdição da via para montar o palco com atividades musicais da5ª Mostra de Música Afro Brasileirae a feira. Simultâneo a eles, a 36ª Mostra Afro Brasileira Palmares Londrina será no interior da biblioteca pública, na Sala de Exposições José Antônio Teodoro”, pontua. Além de Stanley Kennedy Garcia, são curadores a Thatianne Andrea da Silva, Alexandre Cézar, Vagner Nogueira, Agenor Evangelista, Professor Joaquim Braga e Ângela Maria.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.