Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Companhia apresenta “Travessia”, sua desmontagem comemorativa de 25 anos, neste domingo no Oeste do Estado

Um dos eventos mais tradicionais da área no Paraná, o Festival de Dança de Cascavel chega a sua 30ª edição neste início de setembro, com espetáculos, oficinas e mostras competitivas. O Ballet de Londrina é a companhia escolhida para encerrar a programação no dia 8 de setembro, às 20 horas, no Teatro Municipal Sefrin Filho (R. Rio de Janeiro, 905), com entrada gratuita e classificação indicativa livre. Após a apresentação, o Festival entrega os prêmios de 1º, 2º e 3º lugar de cada categoria e gênero para os grupos ou bailarinos que participaram da competitiva.

Em um programa de uma hora e meia, “Travessia” reúne trechos dos espetáculos mais emblemáticos da companhia e exibe-os de forma mais ou menos cronológica para uma percepção das profundas revoluções de linguagem pelas quais passou até conquistar um lugar só dela na dança brasileira. Com direção de Leonardo Ramos, a coletânea é costurada por textos poéticos escritos e narrados ao vivo pelo dramaturgo e ator Renato Forin Jr. A partir da metáfora do “rio da nossa aldeia”, o grupo conta um pouco de suas origens e os locais para onde navegou na América Latina, África e Europa ao longo deste tempo.  Os bailarinos permanecem o tempo todo em cena e transformam-se, às vistas do público, de uma peça a outra do programa, que começa na década de 90 e segue até o futuro, com uma amostra da próxima estreia da companhia.

 “Precisamos comemorar, porque estamos vivos, apesar de todas as dificuldades da caminhada. Um bom trabalho em arte só se constrói com tempo, persistência, esforço e perseverança – e estas são características do Ballet”, comenta Ramos, que assumiu a função de coreógrafo e diretor num repente. Isso porque, nove dias antes da estreia do primeiro trabalho – chamado “Um Ex e Dois Futuros” – o bailarino Marcos Leão, que idealizara a companhia, faleceu em um acidente. Ramos, seu braço direito, teve de assumir instantaneamente a direção do grupo, que estreou em 9 de dezembro de 1993, véspera do 59º aniversário de Londrina. O público de Cascavel vai ter a oportunidade de assistir a um remake do primeiro duo apresentado naquela noite dolorosa, chamado “Um Ex...”.

Deste princípio neoclássico, a companhia dá um salto para o contemporâneo, sua linguagem definitiva, com “...à Cidade” (1996), coreografia pulsante realizada ao som de Astor Piazzola e com inovações, como o uso da dança aérea. Na sequência, a coletânea inclui trecho de “Nunca” (2001), montagem sobre as necessidades essenciais do homem e um questionamento sobre o que teria lhe restado de autêntico.  De 2007 e 2010, respectivamente, estarão presentes partes de “Decalque” e “A Sagração da Primavera”, peças que consolidaram o lugar do Ballet de Londrina como inventor de uma linguagem singular, caracterizada pelos movimentos horizontas e pela busca de inéditos eixos de apoio para os bailarinos.

 “Travessia” termina com excertos de trabalhos mais recentes: “Sem Eira Nem Beira” (2013), inspirado na fé e nas tradições brasileiras a partir do Movimento Armorial, e “Oração Pelo Fim do Mundo” (2017), retrato pungente de um presente de dor, que teima em sufocar as diferenças. O prenúncio de futuro fica por conta de um pequeno trecho de “Cinematógrafo”, nome provisório da montagem que está sendo preparada para o ano que vem e que elabora movimentos a partir de trilhas inesquecíveis do cinema.

Colocadas assim, lado a lado, as coreografias evidenciam a versatilidade da companhia. “O (crítico de dança) Roberto Pereira (1965-2009) me aconselhava para não continuar fazendo o que já sabíamos fazer muito bem. A nossa busca foi sempre pela reinvenção e a cada novo processo surge algo diferente a ser pesquisado. A capacidade de não se repetir fez com que a gente avançasse no tempo”, explica Leonardo Ramos.

Tal renovação não é apenas uma característica temática ou de linguagem, mas se reflete também nos doze bailarinos. Atualmente, o elenco é composto por jovens profissionais, que dividem o palco com veteranos. O Ballet é a companhia oficial da

Renato Forin Jr/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios