Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Romance "Lore", de Maria Ligia Galvão aborda questões sobre o preconceito e o racismo que persistem na sociedade

Na segunda-feira (19), a Biblioteca Pública Municipal de Londrina Pedro Viriato Parigot de Souza recebeu a doação de dez exemplares do romance Lore, escrito pela autora londrinense Maria Ligia Galvão. Esta é a segunda obra da autora, que em breve planeja publicar mais um livro.

Ao longo de 218 páginas, a escritora conta a história de uma mulher negra chamada Lore. Ela nasceu em uma família de posses, filha de um português e de uma mãe remanescente da escravidão no Brasil. Desde pequena, Lore sentiu o preconceito racial na pele, mas também se preparou para viver.

Segundo a autora, que também é advogada criminalista, filósofa e professora universitária, a intenção foi mostrar a sociedade de 50 anos atrás, trazendo à tona o preconceito e a discriminação, que eram ainda mais fortes do que atualmente.

Para a escritora, as experiências vividas durante a infância e a juventude compõem o imaginário e dão espaço para a criatividade e a elaboração da personagem principal. “Tenho 80 anos de idade e, antes, o preconceito era ainda maior do que hoje. Isso é muito difícil de mudar, porque é cultural e, no Brasil, temos um histórico muito forte também. Tudo isso gera um sofrimento horrível, uma segregação da sociedade, que senti quando era criança e jovem. As pessoas nem chegavam perto de alguém só por causa do cabelo crespo. Era um horror”, lembrou.

A autora londrinense se formou em Direito pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), fez pós-graduação em criminologia, em 1979, também pela UEL, quando ainda pouco se falava em cursos de especialização no Brasil. Em Filosofia, ela graduou-se no Rio Grande do Sul. Foi professora da UEL, da Unopar e de outras faculdades de Direito. O livro pode ser adquirido através da editoracrv.com.br.

Como doar

A doação de livros para as bibliotecas públicas municipais é centralizada na Biblioteca Pública Municipal de Londrina Pedro Viriato Parigot de Souza, que fica na Avenida Rio de Janeiro, 413, no Centro. Quem deseja doar livros, jornais ou revistas pode entrar em contato pelo telefone (43) 3371-6500, de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 13h30; ou por e-mail biblioteca@londrina.pr.gov.br. Devido à pandemia, a entrega é feita por agendamento, com dia e hora marcada.

Após o recebimento, é feita uma triagem do material, para selecionar aqueles que podem ser utilizados e distribuídos para as sete bibliotecas públicas municipais de Londrina. Atualmente, mais de 90% do acervo das bibliotecas municipais é formado por livros e materiais advindos de doação. São 120 mil livros e cerca de 80 mil revistas e jornais à disposição.

“Semanalmente, recebemos doações dos mais diversos gêneros. Quem quiser doar pode nos procurar, porque buscamos cobrir todas as áreas do conhecimento e os mais diversos assuntos. A procura maior dos nossos leitores é pela literatura, mas recebemos obras técnicas também”, explicou o coordenador de processamento técnico e formação de acervo da Biblioteca Pública Municipal, Marcos Moraes.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios