Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O cineasta brasileiro Luiz Rosemberg Filho, falecido recentemente, também será homenageado nesta edição com a exibição do radical Imagens, de 1972;

ORG (1967-1978), monumental obra de Fernando Birri, raramente exibido desde sua estreia no festival de Veneza em 1979, será exibido dia 26/09, quinta, às 19h

A grande homenageada da 1ª Mostra Cine Brasil Experimental, que acontece de 24 a 29 de setembro, no Centro Cultural São Paulo  é a cineasta e artista franco-americana Vivian Ostrovsky, que passou parte importante de sua juventude no Brasil e até hoje tem uma relação muito especial com o país, algo que está muito presente em sua obra. A diretora estará presente no evento e participará de um bate-papo com o público no dia 28 de setembro, às 20h30, no Centro Cultural São Paulo,

A Mostra exibe 13 filmes em curta-metragem realizados por Ostrovsky entre 1983 e 2018, entre eles Copacabana Beach (1983, 10', cor), talvez seu filme mais conhecido, que ela realizou em super-8 na famosa praia carioca; e Nikita Kino (2002, 40', cor e pb), filme documentário experimental realizado com belíssimas imagens de arquivo sobre suas lembranças da antiga URSS, país de origem de seu pai.

A mostra também fará uma homenagem ao recém falecido cineasta brasileiro Luiz Rosemberg Filho, exibindo o radical Imagens, de 1972, filme que durante décadas foi dado como perdido e, em 2014, foi reencontrado na França.

Uma das preciosidades exibidas na mostra é a monumental obra de Fernando Birri (1925-2017), ORG (1967-1978), raramente exibido desde sua estreia no festival de Veneza em 1979 até sua recente restauração em 2012, na Alemanha. O filme será exibido dia 26/09, quinta, às 19h

O argentino Birri foi figura chave do novo cinema latino-americano tanto como realizador de obras fundamentais como Tire Dié (1960) e Los Inundados (1961), como teórico e como co-fundador das escolas de Cinema em Santa Fé, Argentina e San Antonio de Los Baños, em Cuba. Filmado entre 1967 e 1978 ORG foi, segundo seu diretor, o resultado de sua experiência no longo período de seu segundo exílio na Itália. A obra se destaca como visão caleidoscópica sobre a geração dos anos 1970, marcada pelos ventos da contracultura e do ativismo revolucionário, que teve em Birri uma de suas principais figuras no cinema. Também se destaca como experimento formal e perceptivo, misto de filme-ensaio, filme de colagem vanguardista, e épico de ficção científica (protagonizado por Terence Hill, dos filmes Trinity), contendo mais de 26 mil cortes, 700 faixas sonoras e entrevistas com colegas dos novos cinemas pelo mundo como Jean-Luc Godard, Jonas Mekas e Glauber Rocha.

A 1ª Mostra Cine Brasil Experimental é patrocinada pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa por meio do PROAC. Ela é uma produção da Cinediário e tem apoio do Centro Cultural São Paulo, do Instituto Goethe e da Cinemateca do MAM-RJ.

Valéria Blanco/Asimp

vivian ostrovsky (1)

Imagens (Luiz Rosemberg Filho)

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.