Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Etelvino sempre morou na mesma casa, ou melhor, casarão que fora de seus avós, seus pais e agora era sua herança. Havia um grande quintal onde um pomar era muito bem cuidado desde os tempos de seu avô.

O que se destacava no pomar não eram as variadas espécies de árvores frutíferas e sim a grande e imponente paineira de mais de 200 anos.

Etelvino estava noivo de Verônica há mais de cinco anos, porém o casório nunca saia. Verônica queria casar com Etelvino, mas nem por decreto presidencial aceitava morar no casarão.

- Casa velha deixa a gente velha! Quero uma casa mais moderna no centro da cidade!

Por isso Etelvino relutava em casar. Amava Verônica, mas como o único bem que possuía era o casarão, teria que vendê-lo para comprar uma casa nova no centro e essa ideia não passava por sua cabeça, pois adorava o casarão que trazia tantas lembranças boas.

Com isso, o tempo ia passando, sem a venda da casa e sem o casório.

Foi Duarte que viu a primeira vez:

- Etelvino! O que é aquele negócio preso na paineira?

Etelvino olhou o negócio, olhou para o Duarte que sempre pedia limão para fazer caipirinhas.

- Está parecendo uma fruta!

Com o passar dos dias a fruta foi crescendo e outras frutas começaram a brotar nos frondosos galhos da paineira.

- É jaca!

Gritou Duarte num outro dia quando derrubou a fruta com um bambu.

- Como foi dar jaca numa paineira?

A curiosidade de Etelvino logo se transformou na curiosidade da cidade inteira. 

Em pouco tempo muitos curiosos se aglomeravam debaixo da paineira, sobre as raízes.

- Isso deve ser coisa da evolução das espécies!

Dizia um metido à cientista só porque leu alguma coisa de Darwin.

- Está parecendo um caso de dupla personalidade da paineira que pensa ser uma jaqueira!

Dizia um metido a botânico com especialidade em psicanálise.

Alguns especialistas tentaram resolver o mistério que afligia a paineira e sua produção de jacas. Contudo, nenhuma conclusão foi concluída.

Com a popularidade, Etelvino passou a ser uma pessoa bem vista pela sociedade local e seu casarão acabou se tornando um ponto turístico na cidade. Todos queriam conhecer a paineira que dava jaca.

Verônica que outrora queria se livrar do casarão, agora não arredava o pé do local. Aproveitou a fama do noivo e pegou carona, aceitando o casamento e viver o resto da vida no casarão abençoado.

A lua de mel e os primeiros meses de casados foram regados a muita felicidade e doce de jaca...

Coisa que acabou numa manhã de sábado quando Verônica pegou suas coisas e foi embora do casarão.

Etelvino desesperado quis saber o porquê e ela jogou a página de um jornal da cidade vizinha com a manchete:

“Inacreditável! Uma seringueira também começa a dar jaca. E não é só isso, ao invés de látex ela dá vinho tinto doce”.

Etelvino amassou o jornal e lamentou sua sorte:

- Pô paineira! Você bem que poderia dar pelo menos uma cachacinha também! 

Rodrigo Alves de Carvalho nasceu em Jacutinga (MG). Jornalista, escritor e poeta possui diversos prêmios literários em vários estados e participação em importantes coletâneas de poesia, contos e crônicas. Em 2018 lançou seu primeiro livro individual intitulado “Contos Colhidos” pela editora Clube de Autores.

rodrigojacutinga@hotmail.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.