Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Cultura 27/10/2020  08h56

Crônica: Arroz de festa

Edivino adorava casamentos.

Poucas vezes entrava na igreja e não era convidado pelos noivos, mas não perdia um casamento.

Todo mundo conhecia Edivino e sua mania de estar em todos os casórios que eram realizados na igreja da cidade.

Edivino catava o arroz de festa jogado nos noivos com sua vassourinha e uma pá. Ele esperava a chuva de arroz nos noivos acabar para recolher o cereal e coloca-lo numa sacolinha.

Como toda semana aconteciam casamentos e chuvas de arroz, Edivino juntava cerca de cinco quilos de arroz por mês.

- Não preciso comprar arroz! – Dizia Edivino quando questionado o por que de catar arroz na porta da igreja.

Foram mais de dez anos recolhendo arroz, nesse tempo Edivino nunca se casou.

- Casamento é muito caro! A gente paga pra nascer, paga pra viver e pra morrer; não vou pagar pra casar!

Nem preciso dizer que Edivino era muquirana profissional.

Se bem que seria cômico ver Edivino acabar de casar, todo alinhado com terno e gravata abaixado e recolhendo o arroz que fora atirado em sua direção ao invés de cumprimentar os convidados na porta da igreja.

O que mais irritava Edivino, no entanto não eram as gozações e provocações das pessoas, muito menos os pés inconvenientes que atrapalhavam na hora da catação do arroz e sim quando atiravam quirelas (arroz quebrado) nos noivos.

- Casamento de pobre é fogo! - Xingava baixinho ao recolher o arroz de terceira.

Contudo, de uns tempos para cá Edivino não frequenta mais os casamentos munido de vassoura e pá. Ele não está doente e muito menos parou de ser muquirana. É que nos casamentos atuais quase não se jogam mais arroz nos noivos, agora jogam pétalas de rosas e bolhas de sabão. Além do que o arroz entrava nos ouvidos e impregnavam nos cabelos da noiva.

Mas a real razão de não se jogar arroz nos noivos nos finais dos casamentos atuais é outra e Edivino fica ainda mais desanimado por não poder mais recolher essa preciosidade:

- O arroz está muito caro!

Rodrigo Alves de Carvalho nasceu em Jacutinga (MG). Jornalista, escritor e poeta possui diversos prêmios literários em vários estados e participação em importantes coletâneas de poesia, contos e crônicas. Em 2018 lançou seu primeiro livro individual intitulado “Contos Colhidos” pela editora Clube de Autores. rodrigojacutinga@hotmail.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.