Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Cultura 27/10/2020  08h56

Crônica: Arroz de festa

Edivino adorava casamentos.

Poucas vezes entrava na igreja e não era convidado pelos noivos, mas não perdia um casamento.

Todo mundo conhecia Edivino e sua mania de estar em todos os casórios que eram realizados na igreja da cidade.

Edivino catava o arroz de festa jogado nos noivos com sua vassourinha e uma pá. Ele esperava a chuva de arroz nos noivos acabar para recolher o cereal e coloca-lo numa sacolinha.

Como toda semana aconteciam casamentos e chuvas de arroz, Edivino juntava cerca de cinco quilos de arroz por mês.

- Não preciso comprar arroz! – Dizia Edivino quando questionado o por que de catar arroz na porta da igreja.

Foram mais de dez anos recolhendo arroz, nesse tempo Edivino nunca se casou.

- Casamento é muito caro! A gente paga pra nascer, paga pra viver e pra morrer; não vou pagar pra casar!

Nem preciso dizer que Edivino era muquirana profissional.

Se bem que seria cômico ver Edivino acabar de casar, todo alinhado com terno e gravata abaixado e recolhendo o arroz que fora atirado em sua direção ao invés de cumprimentar os convidados na porta da igreja.

O que mais irritava Edivino, no entanto não eram as gozações e provocações das pessoas, muito menos os pés inconvenientes que atrapalhavam na hora da catação do arroz e sim quando atiravam quirelas (arroz quebrado) nos noivos.

- Casamento de pobre é fogo! - Xingava baixinho ao recolher o arroz de terceira.

Contudo, de uns tempos para cá Edivino não frequenta mais os casamentos munido de vassoura e pá. Ele não está doente e muito menos parou de ser muquirana. É que nos casamentos atuais quase não se jogam mais arroz nos noivos, agora jogam pétalas de rosas e bolhas de sabão. Além do que o arroz entrava nos ouvidos e impregnavam nos cabelos da noiva.

Mas a real razão de não se jogar arroz nos noivos nos finais dos casamentos atuais é outra e Edivino fica ainda mais desanimado por não poder mais recolher essa preciosidade:

- O arroz está muito caro!

Rodrigo Alves de Carvalho nasceu em Jacutinga (MG). Jornalista, escritor e poeta possui diversos prêmios literários em vários estados e participação em importantes coletâneas de poesia, contos e crônicas. Em 2018 lançou seu primeiro livro individual intitulado “Contos Colhidos” pela editora Clube de Autores. rodrigojacutinga@hotmail.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios