Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

- Espelho, espelho meu, existe alguém mais bela do que eu?

- Olha dona madrasta, o problema aqui é que a senhora já está com uma certa idade. Apareceram umas ruguinhas aqui, uma gordurinha localizada ali. Por isso hoje a Branca de Neve é a mais bela de todas, já que está na flor da idade, no frescor da juventude...

A madrasta má enfurecida solta um palavrão e planeja um modo de exterminar Branca de Neve para acabar com a concorrência, depois se matricularia numa academia e faria algumas aplicações de Botox.

Branca de Neve estava lavando roupas num tanquinho atrás da casa dos sete anões. Enquanto esfregava as cuequinhas minúsculas, a Madrasta má disfarçada de velhinha caquética se aproxima pedindo um copo d’água. A mocinha gentil e bondosa sacia a sede da horrível velha que falsamente agradece oferecendo uma maça envenenada.

- Tome menina, uma maçã de presente por ser tão meiga comigo.

- Muito obrigada senhora, mas eu não posso aceitar.

- Por que criança? É uma maçã tão suculenta, tão vermelhinha. Prove, você vai ver como é docinha.

- Eu não posso comer maçã porque me dá gases. Dá última vez que comi antes de dormir, os coitados dos anões não aguentaram ficar dentro de casa e tiveram que dormir na floresta. O pior é que estava chovendo!

- Não me diga. Mas que fruta você come?

- Sou meio enjoadinha com frutas. Só gosto de uvaia e jatobá.

A madrasta má disfarçada de velhinha vai embora irada com o fracasso de sua investida, porém, não desistiria.

No outro dia ela retornou até a casa de Branca de Neve, dessa vez com um jatobá envenenado.

- Menina, que coincidência, eu vinha passando pela estrada e encontrei um pé de jatobá, me lembrei de você. Olhe que delícia.

Branca de Neve arregalou os olhos e lambeu os beiços. A jovem se deliciou e se empanturrou de jatobá. Alguns minutos depois caiu durinha.

A madrasta má foi embora saltitante por ser agora a mais bela de todas.

Quando os anões chegaram e encontraram Branca de Neve morta, a colocaram sobre um balcão para vela-la. À noite um belo e valente príncipe apareceu por lá e se apaixonou pela defunta. Sabia que um beijo quebraria o feitiço e viveriam felizes para sempre.

Entretanto, ao aproximar o rosto dos lábios da moça, o príncipe observou aqueles dentes amarelos e empastados de jatobá. Parou, ficou com nojinho e foi embora.

Para nunca mais voltar.

Rodrigo Alves de Carvalho nasceu em Jacutinga (MG). Jornalista, escritor e poeta possui diversos prêmios literários em vários estados e participação em importantes coletâneas de poesia, contos e crônicas. Em 2018 lançou seu primeiro livro individual intitulado “Contos Colhidos” pela editora Clube de Autores - rodrigojacutinga@hotmail.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios