Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Cultura 12/07/2021  09h30

Crônica: Maria Bobagenta

Foi a vizinha de cima quem disse que havia visto a Maria Bobagenta no quintal da casa vazia da esquina.

Na mesma hora ficamos com os ouvidos em pé e até paramos com o futebol na rua para escutarmos o que a vizinha estava dizendo sobre essa tal Maria Bobagenta para outras vizinhas no portão de casa.

- Ela fica na maior pouca vergonha com o namoradinho...

Para pré-adolescentes que estavam descobrindo certas coisas da vida como as mudanças no corpo, a atração pelas meninas e o sexo, ao ouvirmos falar da Maria Bobagenta, é claro que nossos pensamentos “impuros” eram atiçados.

A vizinha continua com a fofoca para as amigas:

- Ficam praticamente grudados um no outro e não se largam! É um absurdo.

As outras vizinhas estavam indignadas,

Naquela mesma tarde pulamos o muro da casa vazia da esquina para darmos um flagra na Maria Bobagenta, ou melhor, para espiarmos a famigerada em atos libidinosos. 

Mas não encontramos nada. Esperamos atocaiados atrás de um monte de tijolos do quintal, mas ninguém apareceu.

Pelo jeito a Maria Bobagenta havia descoberto a indignação dos puritanos da rua e deixado seu ninho de amor.

Passou-se dois dias e numa manhã de poucas nuvens a vizinha sai esgoelando rua abaixo.

- A Maria Bobagenta está de sacanagem atrás do muro do pastinho!

A vizinhança toda saiu de suas casas para irem até um terreno baldio no final da rua afim de repreenderem a tal Maria Bobagenta.

A molecada estava mais alvoroçada ainda quando a passeata chegou até o muro do terreno e todos invadiram pelo portãozinho de madeira verde.

- Parem já com essa pouca vergonha...

Pudemos observar naquele momento dois pequenos insetos da espécie Plecia nearctica, que grudados pelo abdômen alçaram voo e planaram no ar numa dança amorosa suave e sincronizada.

Depois daquele dia sempre encontro a Maria Bobagenta fazendo suas sacanagens com o namorado em vários lugares... 

Mas agora nem ligo mais.

Rodrigo Alves de Carvalho nasceu em Jacutinga (MG). Jornalista, escritor e poeta possui diversos prêmios literários em vários estados e participação em importantes coletâneas de poesia, contos e crônicas. Em 2018 lançou seu primeiro livro individual intitulado “Contos Colhidos” pela editora Clube de Autores. rodrigojacutinga@hotmail.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.