Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Numa noite tenebrosa de raios e trovões, Joviano estava sossegadamente no sofá da sala assistindo Jornal Nacional e fumado um cigarrinho de boa.

Eis que na escuridão da cozinha surge a Morte flutuando até a sala vestida com seu manto e capuz negro segurando a foice macabra. Joviano quase morre de susto ao perceber a presença da Morte.

- Quem é você? Como entrou aqui?

- Eu sou a Morte e vim te buscar Joviano.

- Mas por quê? Ainda sou tão novo, tenho tantas coisas para fazer!

- Ora Joviano, você fuma igual a um condenado. Fumou tanto na vida que seu pulmão não aguenta mais e agora é hora de você morrer!

- Mas agora que estou prestes a parar de fumar!

- É justamente por isso que você vai morrer Joviano. Sempre adiando sua parada com o cigarro. Você sempre promete, mas nunca cumpre.

- Não é bem assim dona Morte. Eu sempre tive convicção em parar de fumar, mas precisava que as condições fossem ideais para isso.

- E com isso você sempre postergou o fim do cigarro. Se lembra quando disse que iria parar de fumar assim que arrumasse um emprego? Pois bem, você ficou seis meses procurando emprego e fumando sem parar, até que finalmente começou a trabalhar, mas não parou de fumar.

- Desculpa Morte, mas eu não parei naquele momento porque trabalhava à noite e quando mudasse o turno para o dia iria parar.

- Justamente. Quatro meses depois mudou de turno e continuou fumando.

- Mas aí eu precisava resolver a questão de arrumar outra casa para alugar.

- Exato Joviano! Quase um ano até alugar outra casa e o cigarro continuou.

- Pois tinha a questão do carro que eu queria comprar.

- Demorou dois anos até comprar o carro e neste tempo fumou sem parar.

- Está certo, porém nessa época perdi o emprego e teria que arrumar outro...

- Joviano, Joviano! Não percebe que você vem adiando sua decisão em parar de fumar definitivamente a cada objetivo que coloca em sua vida e cada vez mais coloca outros objetivos, entretanto, o objetivo principal que é parar de fumar você não consegue alcançar?

- Desculpa Morte. Prometo que vou parar, me dá uma chance. Te suplico!

A Morte coçou o queixo:

- Está bem! Se você parar de fumar agora, não te levarei!

Joviano abriu um sorrisão, entretanto fez uma proposta meio sem jeito:

- Dona Morte, vamos fazer o seguinte, eu acabei de comprar um maço de cigarro e ele está cheinho. Quando acabar esse maço vou parar de fumar para sempre!

- Descanse em Paz Joviano!!!

Rodrigo Alves de Carvalho nasceu em Jacutinga (MG). Jornalista, escritor e poeta possui diversos prêmios literários em vários estados e participação em importantes coletâneas de poesia, contos e crônicas. Em 2018 lançou seu primeiro livro individual intitulado “Contos Colhidos” pela editora Clube de Autores - rodrigojacutinga@hotmail.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.