Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Cultura 30/11/2020  10h35

Crônica: Pulei a cerca

Sei que esse não é o lugar adequado para confessar uma coisa dessas, mas não aguento essa angústia que consome dia após dia e por isso decidi me abrir com os fiéis leitores.

É com uma grande parcela de culpa e também de vergonha que confesso a vocês que acabei pulando a cerca.

Mas antes que todos me apedrejem com as pontudas pedras da indignação e intolerância preciso expor meus motivos. 

Preciso ao menos abrir meu coração para acalentar a magoa que o austero e implacável leitor possa sentir pela minha humilde pessoa.

Desde o nosso nascimento até a beira do adeus definitivo somos bombardeados por emoções e sensações que fazem parte de nossa história pessoal. 

Aprendemos a sentir amor e bem-querer por várias coisas e pessoas. Aprendemos a lidar com emoções boas que nos fazem bem e também emoções ruins que nos deixam para baixo.

Quando chegamos a uma determinada idade nos interessamos por coisas que nos fazem bem, nos chama a atenção, nos cativa. A partir daí buscamos a felicidade e principalmente a fidelidade entre as partes.

Pulei a cerca porque fui infiel!

Pronto falei!

Entretanto, as coisas não são bem assim. Tenho certeza que o gentil leitor vai me dar razão ao ler minhas sinceras explicações.

Continuando o que estava divagando, sentimos várias emoções em nossa caminhada por esse mundo e quando a visão magistral da beleza nos cativa, perdemos a cabeça e cometemos erros com àqueles que estão ao nosso lado.

Peço desculpas se alguém acabou prejudicado ou magoado, mas minha pulada de cerca foi inevitável.

O incontrolável tomou conta de todos os meus sentidos por aquela visão alegre naquela ensolarada manhã de domingo. 

Eu estava caminhando no sítio de um amigo de longa data e ao vê-la magnífica do outro lado da cerca, não aquentei e pulei.

Confesso que não me arrependo.

Pulei a cerca do sítio do vizinho para chegar àquela carregada mangueira para roubar as maravilhosas mangas Coração de Boi madurinhas.

Tudo bem. Cometi um ato impensado, posso ter traído a confiança de meu amigo, posso ter traído a confiança do vizinho, mas pulei a cerca com gosto e fiquei com o rosto amarelado de tanto comer manga.

Rodrigo Alves de Carvalho nasceu em Jacutinga (MG). Jornalista, escritor e poeta possui diversos prêmios literários em vários estados e participação em importantes coletâneas de poesia, contos e crônicas. Em 2018 lançou seu primeiro livro individual intitulado “Contos Colhidos” pela editora Clube de Autores.  rodrigojacutinga@hotmail.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.