Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Com uma rica trilha sonora e os movimentos da Dança Butoh, artista propõe um olhar profundo para as nossas próprias vivências

Uma mulher transita por estágios que refletem a solidão das pessoas que sofrem do transtorno psiquiátrico e, principalmente, a incompreensão e a condenação da sociedade. Assim começa a sinopse do espetáculo de dança butoh de Solange Mello que será transmitido pela Vila Cultural Canto do MARL nessa quarta-feira às 19h30 pelo Youtube.

Nesse espetáculo, o público será convidado a acompanhar a dança, entre notas líricas do piano e momentos de cordas tensionadas, e a exclamação de vozes anônimas. Ações sonoras para as quais o corpo reage com expressões pungentes ou com a sutileza dos pequenos movimentos.

Características da dança oriental Butoh, que Solange pesquisa há pelo menos duas décadas e que incorporou de modo muito pessoal à sua arte, são dessa forma ressaltadas.

A artista explica que desenvolveu seu próprio Butoh porque essa é uma dança que necessita de uma carga de vida mais extremada e convida a todos para conhecer essa nova linguagem de dança. “Eu desenvolvi o meu Butoh, fruto das minhas vivências, uma técnica que é pouco usada aqui em Londrina” – Explica Solange Mello.

As palavras de Clarice Lispector em “Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres” poderiam resumir “A Solidão é Azul”, espetáculo da dançarina Solange Mello, de Londrina: “Ela estava só. Com a eternidade à sua frente e atrás dela. O humano é só”.

O trabalho aborda a perspectiva do enclausuramento, nos convida dessa forma a adentrarmos em nossas profundas camadas de solidão. Nisso, vemos a presença do autocuidado, que antes se ignorava, mas que se apresenta neste momento, imprescindível.

O espetáculo foi desenvolvido em 2018 após a atriz ter superado uma grande depressão e o texto foi desenvolvido por Renato Forin. "A solidão é azul" ressalta os interstícios de uma mulher que encontrou no movimento o que nos aproxima enquanto humanos: a capacidade de expressarmos os indizíveis sentimentos que a solidão nos revela.

O solo estreou em sua versão integral no 16º Festival de Dança de Londrina, em outubro de 2018. Participou do Festival de Teatro de Ibiporã (Festibi) no mesmo mês e também teve um trecho exibido no 24º Mercosul em Dança, em 2018 na Argentina. Também contemplado no Edital 02/2020 de Chamamento para Licenciamento de Conteúdo Cultural Digital - Cultura Feita em Casa, pela Secretaria do Estado da Comunicação Social e da Cultura (SECC-PR).

Para assistir, basta acessar o youtube da Vila Cultural Canto do MARL nessa quarta-feira às 19h30. Os espectadores poderão participar enviando seus comentários. A transmissão faz parte da Cultura em Resistência, a programação online da Vila Cultural Canto do MARL. A vila conta com o patrocínio do PROMIC, o programa Municipal de Incentivo à Cultura de Londrina e o apoio do MARL, o Movimento de Artistas de Rua de Londrina.

Gustavo Garcia/Asimp

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.