Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Site da exposição será lançado na sexta-feira (27/11) e ficará disponível até maio de 2021; interessados podem acessá-lo em: www.londrinasonora.com

Londrina, década de 30. Quais eram os sons que permeavam a escuta dos nossos povos originários e das pessoas que aqui chegavam? O projeto Londrina Sonora traz para o público a partir de sexta (27) uma exposição online e multissensorial, com a proposta de que o espectador faça um passeio auditivo através de fotografias tiradas em Londrina nos anos 30.

Prestes a completar 86 anos, Londrina ainda guarda reminiscências da época de sua fundação. Aliando pesquisa história, fotografia e composição musical em som binaural – o famoso som 3D - a exposição Londrina Sonora irá retratar o período que vai de 1930 até 1939 de maneira inédita.

Resgate da identidade histórica londrinense

Quando falamos da história de Londrina, costumamos pensar na vinda dos colonizadores ingleses e o loteamento feito pela Companhia de Terras Norte do Paraná. A exposição busca ressignificar a história contada a partir desse ponto de vista, trazendo novas perspectivas. “Será mesmo que o Norte do Paraná era vazio e sem forma e somente a partir desse ponto é que começamos a “existir”?”, indaga Calebe Viana, historiador que integra o projeto.

Além de Calebe, a equipe multidisciplinar é composta por Erisla Pastore e Daniel Simitan, compositores, pelo fotógrafo Rei Santos, pela designer Camila Wiechert, pela produtora Laís Iracema e também conta com a jornalista Maria Eduarda Oliveira.

A equipe do projeto participou de de minuciosa pesquisa em busca de imagens, fotografias e documentos que retratassem o período em questão. “Tratamos exatamente dos anos 30 porque a raridade de registros fazem esse período, em que Londrina se tornou cidade, ainda pouco explorado. E julgamos de extrema importância resgatar isso, para contribuir com a formação de uma identidade histórica londrinense", explica Erisla Pastore, criadora do projeto.

Som Binaural / Som 3D

Após a pesquisa, foram escolhidas 30 fotografias e cada uma delas ganhou composições de paisagens sonoras e todas serão reproduzidas a partir da técnica de reprodução de sons binaurais. “Utilizamos essa técnica, o famoso som 3D, para trazer novas perspectivas e nuances para essa história”, conta Erisla.

O som binaural, ou som 3D, é um processo de gravação no qual é simulada a espacialização sonora do espectador. “Para a captação do som, colocamos na cabeça de um manequim microfones posicionados próximos aos dois ouvidos - esquerdo e direito, para atingir o efeito de todo o som real que o espectador pode escutar”, explica Erisla.

As composições que integram o Londrina Sonora serão feitas por Erisla Pastore e Daniel Simitan, que irão trabalhar com a reprodução dos sons binaurais através de um programa específico.

Exposição On-line

Em tempos de pandemia, a exposição, antes planejada para ocupar diversos espaços londrinenses, agora acontecerá inteiramente online, em site que foi criado especialmente para abrigá-la: www.londrinasonora.com

O projeto "Londrina Sonora" é coordenado por Erisla Pastore, conta com o patrocínio do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (PROMIC) e apoio do Museu Histórico de Londrina.

Erisla Pastore

Lila Pastore é compositora, arranjadora e violinista. Graduada e pós graduada em música pela Universidade Estadual de Londrina e tem vasta experiência em suas áreas de atuação.

Foi integrante da Orquestra Jovem da UEL e atualmente é colaboradora na BRAVI

Academia de Música, atuando como violinista, arranjadora e compositora. Além de ser colaboradora nos arranjos coletivos, participou da gravação do CD Bichos, Cores e outros amores (2013). Desde 2011 é Assessora Artística do Festival Internacional de Música de Londrina.

Compôs trilhas para teatro

Aterra (2018), espetáculo teatral que realizou diversas apresentações no Paraná e no interior de São Paulo, participando também no Festival de Teatro de Curitiba.

Já no cinema, foi convidada para compor quatro trilhas para o Dramátika - Núcleo de Criação e CineDramaturgia do SESI Cultura Paraná em parceria com a produtora Kinopus (2018).

No ano de 2019 fez arranjos para um concerto especial com clássicos do jazz e do blues para a Orquestra Acadêmica BRAVI.

Além do Londrina Sonora, ainda em 2020, orquestrou a trilha sonora original (composta por Daniel Simitan, que também faz parte da nossa equipe) do próximo longa metragem do diretor Aly Muritiba e participa do projeto Londrina em 4 Atos, que será lançado em breve.

Maria Eduarda Oliveira/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.