Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Documentário “Isto (não) é um Assalto” tem atraído um grande público; são oferecidas sessões em cinco horários até quarta-feira (28)

Estreou na última quarta-feira (21) o documentário “Isto (não) é um Assalto”, do diretor londrinense Rodrigo Grota. O filme narra o célebre roubo ao Banestado,  episódio do mais longo sequestro de um grande número de pessoas na história criminal brasileira, apresentado sob ponto de vista dos assaltantes, dos reféns, dos policiais, da imprensa e da população. O filme é uma produção da produtora Kinopus e conta com patrocínio da Prefeitura de Londrina por meio do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (Promic).

O documentário conta a história de três décadas atrás, quando em 10 de dezembro de 1987, sete homens invadiram a agência central do maior banco de Londrina, mantendo mais de 300 reféns ao longo de 7 horas. Do lado de fora, 5 mil pessoas começaram a gritar a favor dos bandidos, em um ato de protesto contra o governo do ex-presidente José Sarney. Os bandidos exigiram 30 milhões de cruzados, que foram colhidos de banco em banco. Após horas de negociação, a quadrilha fugiu com um valor aproximado do exigido, levando 14 reféns.

Para a produção, a equipe entrevistou mais de 50 pessoas relacionados ao episódio histórico. Entre os entrevistados que compõem a narrativa estão os escritores Domingos Pellegrini Jr. e Rogério Ivano; os jornalistas José Maschio, Nicéia Lopes e Raquel Rodrigues; os policiais Paulo Magalhães, Pedro Marcondes e Wanderci Corral Fernandes; e também os gerentes do Banestado José Cotello e Walter Rosa. Integram ainda o documentário familiares do jornalista Paulo Ubiratan, inspiração de Grota para a produção do filme, bem como diversas vítimas que presenciaram o assalto.

Segundo Grota, a obra tem sido um sucesso de bilheteria. Ele conta que, levando em consideração apenas o cinema  da região central, durante os cinco primeiro dias de exibição o documentário recebeu 503 pessoas em 17 sessões, uma média de 100 espectadores por dia ou quase 30 espectadores por exibição, um grande feito para uma produção londrinense. “O nosso documentário está com ótima recepção nos cinemas. Trata-se da primeira vez que um longa londrinense entra em cartaz no circuito local, e estamos muito felizes com os números e com a reação de colegas e espectadores que viram o filme. Agradeço a todos que foram ver o filme na telona e também aproveito para convidar aqueles que ainda não viram”, disse.

Até a próxima quarta-feira (28), o filme conta com sessões às 14h30, 16h30, 18h15 e 20h30, no cinema do shopping localizado na Rua Mato Grosso, 310, centro. Também há sessões às 18h15 e 20h30, no shopping da zona norte, na Rua Américo Deolindo Garla, 224, no  Pacaembu. A classificação indicativa é de 16 anos.

N.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios