Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Cultura 07/01/2022  08h13

Fique em casa

— Alexandre… (Longa pausa dramática.) Com 87% dos votos, foi você o escolhido. Seu tempo na casa chegou ao fim. Vem viver sua vida aqui fora!

— Ei, espera aí. Assim, de supetão?

— Como “de supetão”? Já é seu quinto paredão e sua mala inclusive está pronta aí do seu lado.

— Mas eu achei que era só jogo de cena, pra manter a audiência ligada até o final.

— Não, infelizmente não é jogo de cena. Vem! Sua família te espera.

— Você só pode estar maluco. Meus pais já têm mais de 70 anos, não posso ter contato próximo com eles não.

— Olha, eu sei que é difícil se desfazer desse sonho, mas chegou a hora de você encarar a realidade aqui fora. Tem muita coisa boa te esperando!

— Tipo o quê?

— Você agora é uma celebridade. Não vai mais conseguir andar na rua sem ser assediado, pessoas querendo uma selfie pra postar no Instagram, esse tipo de coisa…

— Como assim? Assédio, selfie? Na cartilha que vocês nos mandaram estava escrito em caixa-alta: EVITAR O CONTATO PESSOAL!

— Olha, realmente aconteceu esse probleminha…

— Probleminha? Também estava escrito que não era pra acreditar de modo algum em quem dissesse que era apenas um “probleminha”. Não estou entendendo mais nada, achei que eu entraria nessa casa e sairia com a minha situação resolvida, mas pelo visto me dei mal.

— Alexandre, eu sei que você está preocupado e não tiro sua razão. Estamos em um momento difícil, mas que passará, como tudo na vida. Veja pelo lado bom, agora você é uma pessoa pública e pode ajudar a conscientizar a população.

— Mas quem irá me reconhecer, se sou obrigado a sair de máscara?

— Você pode fazer lives dentro da sua casa mostrando como pode ser boa a vida no confinamento, afinal você já tem experiência no assunto.

— Uma coisa é me divertir numa casona dessa, com festa toda semana, bebida e comida à vontade, tempo livre, gente bonita, piscina, academia e o escambau; outra é ficar preso naquele meu quarto e sala, com vista pra parede do outro prédio e uma internet que cai o tempo inteiro.

— Infelizmente, não podemos nos responsabilizar por tudo que acontece após o programa. Cada um tem que achar um jeito de se inserir no mundo aqui fora. O próprio Rubinho, que saiu no último paredão, tá fazendo um sucesso danado confeccionando máscaras com rostos de ex-BBBs. Se a pessoa quiser sair sem ser notada, é só escolher a cara de alguém que participou dos programas mais antigos que é batata.

— Quer dizer que eu posso usar uma máscara com meu próprio rosto impresso?

— Claro, tem gosto pra tudo. Vem, o Brasil te espera!

— Bom, pelo menos ainda posso fazer presença em festas.

— Não existem mais festas.

— Como assim?

— Acho que falei besteira — murmurando baixinho.

— O quê?

— É isso mesmo, as festas foram proibidas.

— Como vou me sustentar sem fazer presença em festas? Torrei todo o meu dinheiro pra clarear os dentes e fazer uma abdomino plastia. Não sobrou mais nada.

— Você tem smartphone?

— Tenho.

— Então… Você pode baixar um aplicativo que vai te dar direito a receber uma ajuda do governo.

— Que bom… Quer dizer que não vou passar aperto? De quanto é esse auxílio?

— Seiscentos reais.

— Seiscentos reais?

— Isso.

— … Tá, mas e a Solange? Ainda está me esperando aí fora?

— Bom… Você sabe que ela saiu logo na terceira semana… Olha, eu não vou te enrolar não, ela está morando com o Rubinho.

— Mas o Rubinho saiu daqui semana passada jurando que ia voltar pra Ju.

— Ju?

— Ju, a que saiu na primeira semana.

— Ah, lembrei. Aquela lourinha, né?

— A própria.

— É tanta gente que fica difícil de lembrar. Pois é, ela ficou com medo da pandemia aqui no Brasil e viajou pra longe.

— Foi para onde?

— Nova York.

— Sorte a dela, hein?

— Vamos mudar de assunto? Tenho certeza de que você fará muito sucesso quando sair da casa. Inclusive, existe a chance de você ser recebido pelo presidente da república! Tá cheio de gente querendo saber sua opinião sobre a cloroquina.

— Cloro o quê?

— Esquece. Vem, Alexandre, vem brilhar aqui fora!

Alexandre F. Azevedo é médico, músico e escritor, lançou a coletânea de crônicas Conversando com paredes pela Editora Labrador, publica textos sobre as suas percepções de mundo no Instagram @conversandocomparedes  - amanda@lcagencia.com.br

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.