Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Projeto “Quartas Musicais: Londrina em Cena”  apresenta show gratuito de André Siqueira Quarteto

O projeto “Quartas Musicais: Londrina em Cena” retorna ao palco do Centro Cultural SESI/ AML nesta quarta-feira (05), às 19h, com a apresentação de André Siqueira Quarteto – grupo formado por André Siqueira (violão, flauta, guitarra), Bruno Cotrim (bateria), Gabriel Zara (contrabaixo) e José Marcello Casagrande (vibrafone). Os ingressos são gratuitos e devem ser retirados na bilheteria com uma hora de antecedência.

A promoção é da Associação de Amigos do Festival de Música de Londrina, junto com o SESI. Através do projeto “Quartas Musicais: Londrina em Cena”, o público da cidade e região está assistindo a uma série de apresentações com músicos de destaque nacional.

O repertório mistura obras de André Siqueira e de compositores como Keith Jarret, Pat Metheny e Dave Holland. “A característica fundamental da sonoridade do grupo é a fusão de timbres e linguagens, da música erudita contemporânea, da música popular brasileira e do jazz”, explica o compositor, arranjador e multi-instrumentista André Siqueira.

O destaque fica por conta da performance de André Siqueira a partir de instrumentos de cordas dedilhadas (violão, guitarra e viola caipira), juntamente com os músicos Gabriel Zara, Bruno Cotrim e José Marcello Casagrande que o acompanham.  Os músicos alcançam uma execução diferenciada, que possibilita a sobreposição de improvisos e textura em linguagens que variam entre o jazz e a música brasileira, sendo o repertório baseado em composições autorais e executado de forma camerística.

Combinação de técnicas

Com uma interpretação primorosa, André Siqueira trabalha com uma mistura de técnicas que proporcionam uma identidade única nos instrumentos que toca. “A apresentação, feita pelo violão, revela a realização do sonho desejado. Apesar de eu não gostar de observações técnicas, tenho de tirar o chapéu pela digitação e execução das escalas, arpejos ou melodias criadas por intervalos contíguos, usando várias notas em cordas separadas, deixando que a caixa do violão faça o serviço do sonho de ressonância eterna, ou quase”, conta André Siqueira.

“Sei da dificuldade que exige manter a mão esquerda parada e a direita em suspenso para que o instrumento ‘trabalhe e invente’ o silêncio através dos harmônicos ou das notas que soam por simpatia. Tenho certeza que a concentração à execução delicada, frágil, mas de consistência da madeira mais dura é conseguida com muita dedicação e sonho. Isso requer paciência, conhecimento e confiança. Essas observações revelam o tamanho da dedicação do grupo que respeita a música que faz.”

Medida certa

Os arranjos das composições conseguiram a dosagem certa para representar as composições. “As vozes aparecem misturadas com as melodias em forma de música ou texto. Os ‘adágios’, ou movimentos lentos em cada composição, podem significar as variações e mudanças de rumo como nos sonhos verdadeiros, existentes ou não. Quanto ao sonho e não a história que eu procurava, passa a dar àqueles que ouvem o direito de imaginar com absoluta liberdade de tempo e emoção, as histórias que desejarem - verdadeiras ou inventadas”, finaliza André Siqueira.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios