Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Ação contou com o apoio financeiro Promic, que possibilitou toda a catalogação das obras disponíveis à leitura, pesquisa e empréstimo à população

Nesta sexta-feira (21), às 20 horas, o Instituto José Gonzaga Vieira, com apoio da Secretaria Municipal de Cultura, apresentará os resultados do Projeto Acervos, na Rua Humaitá, 437, Jardim Kennedy. Durante a solenidade será inaugurado também um novo espaço no instituto, que é a Audioteca Fernanda Jiran e os convidados poderão desfrutar de uma apresentação do Clube de Choro de Londrina.

O projeto Acervos contou com o patrocínio do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (Promic) para ser realizado. Oficialmente, desde outubro de 2017 até 31 de julho deste ano, foram investidos R$ 64.849,60 pelo Promic. Com isso, quatro profissionais e voluntários se dedicaram ao serviço de catalogação do acervo histórico e cultural do Instituto José Gonzaga Vieira. Ele contém 10 mil títulos de literatura nacional e internacional, livros raros e não publicados no Brasil, além de obras de arte com pintura óleo sobre tela, esculturas, CDs, DVDs e vinis de música instrumental e ópera.

De acordo com o responsável pelo Conselho Fiscal do Instituto José Gonzaga Vieira, Leirton Marques, o apoio do Programa auxiliou o desenvolvimento de toda a catalogação do acervo, que vem sendo construído desde 2004. “O apoio do Promic fez toda diferença, vamos buscar reestabelecer essa parceria e outras novas com empresas privadas. Foi muito válido colocarmos o que há de mais moderno em termos de catalogação e empréstimo no instituto. Agora vamos trabalhar pela informatização dele”, explicou.

Além desta novidade, os visitantes também poderão desfrutar das obras contidas no acervo pessoal de Fernanda Jiran, e que foram doadas por seus familiares após o falecimento da mesma. A professora de literatura e gestora cultural era amante dos livros, do cinema, da música e da literatura. Na audioteca, as pessoas encontrarão CDs, DVDs, VHS e vinis das décadas de 1940, 1950, entre outras, além de obras não publicadas no país. O cuidado e o carinho com estas publicações poderá ser percebido também através da mobília da sala, que foi escolhida e restaurada para levar o visitante a adentrar na época do conteúdo pesquisado.

Com recursos do Promic, os profissionais do instituto também realizaram contações de histórias, para os alunos de todas as escolas municipais de Londrina e colégios estaduais. Durante a contação, foi retratada a importância da manutenção de acervos para o desenvolvimento do patrimonial histórico e cultural das cidades. Após a atividade, os alunos puderam visitar o espaço cultural do instituto e conhecer mais um local para leitura e pesquisa aberto ao público.

O acervo, que hoje é aberto ao público, pertenceu ao desembargador José Gonzaga Vieira, que dá nome ao instituto. O objetivo é difundir a cultura e a arte sacra, erudita, contemporânea e a popular, com acervo essencialmente de artistas e colecionadores de Londrina.

Ana Paula Hedler/NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios