Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Obra foi escrita pelo cineasta com 8 anos de idade; lançamento conta com bate-papo com o diretor de fotografia Carlos Ebert na próxima terça-feira

Aos oito anos de idade, Rogério Sganzerla foi sozinho a uma tipografia de sua cidade natal, em Joaçaba, no interior de Santa Catarina. O motivo: queria imprimir um livro. Ele entregou ao tipógrafo quatro pequenos contos que havia escrito escondido de seus pais, e saiu de lá com sua primeira obra publicada, em 1954. A essa publicação precoce ele deu o título de Novos Contos.

Quatorze anos depois, com apenas 22 anos de idade, Sganzerla seria aclamado como um dos cineastas mais inventivos e radicais do cinema brasileiro ao estrear com seu longa-metragem O Bandido da Luz Vermelha (1968), um sucesso de crítica e de bilheteria. Nas entrevistas que deu nessa ocasião e em muitas outras até a sua morte, em 2004, Sganzerla fez questão de mencionar o livro Novos Contos. Para ele e para muitos de seus amigos e críticos, esse pequeno livro se tornou um índice de sua inquietude, de sua criatividade anárquica que se expressava desde a infância.

Na próxima terça-feira (24), Novos Contos será relançado em uma edição fac-similar em Londrina. A iniciativa é uma parceria dos londrinenses da Grafatório Edições com a Miríade Edições, de Florianópolis. O lançamento está marcado para as 19h30 na Vila Cultural Grafatório (Av. Paul Harris, 1575) e contará com um bate-papo especial com Carlos Ebert, amigo pessoal e diretor de fotografia de filmes de Sganzerla, incluindo o clássico do cinema marginal O Bandido da Luz Vermelha e Nem Tudo É Verdade (1984). A conversa com Ebert será entremeada pela exibição de trechos desses dois filmes – sendo que o último é protagonizado pelo também londrinense Arrigo Barnabé.

A edição fac-similar de Novos Contos foi impressa em tipografia, como na original, e todos os seus acabamentos foram feitos artesanalmente, o que é uma marca da Grafatório Edições. São quatro pequenos contos, quase fábulas, que revelam parte do imaginário infantil de Sganzerla – incluindo referências à cultura pop dos anos 1950 e a seu gosto pessoal pela mágica, pela ilusão. Os textos podem agradar tanto aos adultos, que interpretam a obra como uma espécie de episódio biográfico de Sganzerla, quanto ao público infantil, já que se tratam de textos escritos por uma criança e repleto de imaginação lúdica.

Nessa nova edição, o pequeno livro vem recontextualizado gráfica e editorialmente, incluindo um texto-depoimento da mãe de Rogério, Zenaide Sganzerla, que hoje está com 99 anos de idade.

A entrada para o evento de lançamento de Novos Contos é gratuita, e na ocasião livro estará à venda a R$30,00 (em dinheiro ou cartão). Novos Contos também poderá ser adquirido pelo site www.grafatorio.com.

Durante o lançamento, o Bar About está aberto servindo comes e bebes.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios