Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Cultura 23/10/2019  10h00

Londrina: Meta For Mosa

Cia. Grita de Palhaças estreia espetáculo neste fim de semana; a peça mostra a delicadeza, emoção e o feminino sob o olhar de três palhaças

Estreia neste fim de semana – dias 25, 26 e 27 de outubro –, na Vila Triolé, o espetáculo Meta For Mosa, que marca também a estreia da Cia. Grita de Palhaças, formada pelas atrizes e palhaças Aneliza Paiva (Frida), Juliana Galante (Adelaide) e Mariana Ferrari (Cora). A temporada de Meta For Mosa prossegue nos dias 08, 09 e 10 de novembro na Divisão de Artes Cênicas da UEL. As apresentações têm entrada gratuita para todo o público.

As palhaças já se apresentavam juntas no número cômico “As Multidançarinas”. No início deste ano se reuniram para montar um novo espetáculo que envolvesse questões do feminino, de ser mulher e ser palhaça. Para conduzir a dramaturgia e assinar a montagem, Adelvane Néia, palhaça Margarida, com 30 anos de carreira e experiência tanto em cena quanto na direção, se uniu ao projeto.

 “Posso dizer que o resultado deste trabalho é uma contribuição para a comicidade feminina dentro desse histórico que nós, mulheres e palhaças, temos feito. É um material bastante original, uma proposta profunda, delicada, feminina e na linguagem de três figuras distintas: uma branca, uma augusta e uma excêntrica, algo raro de acontecer de forma tão definida dentro de um espetáculo. Estou bem feliz, satisfeita e curiosa de como o público vai receber, e como isso var reverberar nelas”, diz a diretora.

Metamorfose em Meta For Mosa

O espetáculo Meta For Mosa conta com o patrocínio do Promic e traz o encontro do próprio ser e com seus imensos universos particulares. No palco, três palhaças, semelhantes em seus anseios e únicas em suas preciosidades e peculiaridades. A carcaça que cai, a monstra que se rebela, a loucura neurótica, a lágrima que corre sem limites, o amor. Adelaide, Cora e Frida viveram intensas metamorfoses neste processo e o resultado está representado nas cenas.

“Partimos de um ponto que era a existência do nosso número As Multidançarinas. A intenção era transformar esse material num espetáculo. Com uma pergunta para responder: quais coreografias devemos seguir, numa sociedade ainda tão cheia de preconceitos, para sentirmo-nos aceitas, “normais!”, parte do todo?  Ao entrar na sala de ensaio, nós três e a diretora, começamos a perceber que podíamos mais. E que tínhamos outras coisas a dizer. A diretora conduziu esse processo e foi nos dando vozes. Quando vimos, já estávamos muito longe do material inicial. Mas o que tínhamos era rico, profundo e muito verdadeiro”, contam as atrizes.

Ainda que seja protagonizado por palhaças, a indicação etária de Meta For Mosa é de 12 anos. A linguagem da palhaçaria está presente em todo o espetáculo e conduz os momentos de comicidade e emoção de forma delicada e bastante original. “A palhaça intensifica as emoções. É como uma lente de aumento sobre nossas questões, nossos ridículos, nossas emoções.”

O que se vê e se vive, em 60 minutos de espetáculo é emoção, delicadeza e muita verdade. Não há como não ser belo, algo que é feito com verdade e entrega. “A palhaça sente tudo com mais intensidade. E mostra mais tudo o que sente. Neste sentido, o trabalho ganha uma verdade importante. A palhaça não finge, ela é. Vive intensamente cada momento do espetáculo e divide com a plateia, transformando-a em cúmplice dessas sensações.”

Meta For Mosa tem o Patrocínio do Promic e apoio da Vila Triolé, Café com Propósito e Divisão de Artes Cênicas da Casa de Cultura da UEL.

Sinopse:

Para sobreviver é preciso se transformar. A Meta For Mosa, esse estágio de mutação, acontece ao romper a casca e voa livremente até o momento fugaz do encontro. Encontro do próprio ser, encontro com a outra e com seus imensos universos particulares. Ao cruzar o caminhar de três palhaças, semelhantes em seus anseios e únicas em suas preciosidades e peculiaridades, acontece a Meta for Mosa. A carcaça que cai, a monstra que se rebela, a loucura neurótica, a lágrima que corre sem limites, o amor. Adelaide, Cora e Frida viveram intensas metamorfoses neste processo. E é assim, metamorfoseadas, ou metaformoseadas que convidam a plateia a viajar e percorrer mundos inteiros, descobrir liberdades e gerar mudanças.

Oficina com Adelvane Néia

De 05 a 07 de novembro, a diretora do espetáculo Adelvane Néia estará em Londrina para ministrar a oficina “Palhaçaria – experimentações & trânsitos de uma linguagem”. O encontro será das 17h às 21h na Divisão de Artes Cênicas da UEL e tem vagas limitadas. As inscrições podem ser feitas através de Carta de Intenção e currículo, e enviadas por email gritaciadepalhaças@gmail.com . A oficina tem valor de R$80,00 e R$60,00 (valor especial para alunos da UEL).

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios