Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Célebre nos anos 1960 e 70, Diniz completaria oito décadas de vida na quinta-feira (30)

Apresentador de rádio e TV, ator, diretor de teatro, colunista, designer gráfico e jornalista. Um multimídia inquieto, o talentoso Oswaldo Diniz exerceu todas essas e ainda outras atividades em Londrina nas décadas de 1960 e 1970, impregnando a memória de muitos que viveram a efervescente cena cultural da cidade naquele período. Apesar dessa atuação múltipla e relevante para a história das artes e da comunicação londrinense, depois de sua morte precoce aos 44 anos, Diniz ficou um pouco esquecido na cidade, e seu nome é praticamente desconhecido pelas novas gerações.

Para reviver sua história, os jornalistas Felipe Melhado, Gabriel Daher e Teixeira Quintiliano decidiram escrever o livro Vou Lá e Faço – a vida-obra de Oswaldo Diniz, que conta com o patrocínio do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (PROMIC ). Para a produção do livro, os autores realizaram entrevistas com pessoas que conviveram ou foram influenciadas pelo trabalho de Oswaldo Diniz, como seus familiares, amigos, colegas de trabalho e fãs – entre eles, muitas personalidades da cultura londrinense, como Arrigo Barnabé, Joana Lopes, Linda Bulik, Marco Antonio Almeida, entre outros.

Além de trazer passagens curiosas sobre a vida de Diniz, a obra também revela um pouco dos bastidores do teatro, do jornalismo, do rádio e da TV na Londrina dos anos 1960 e 1970. O livro será publicado no segundo semestre pela Grafatório Edições, conhecida por suas edições artesanais e que já lançou livros como No Fim da Infância, reunindo memórias de Arrigo Barnabé, e a coletânea A Hora da Lâmina, com textos produzidos pelo poeta curitibano Paulo Leminski para a Folha de Londrina no ano de 1989.Vou Lá e Faço – a vida-obra de Oswaldo Diniz, contará com o projeto gráfico dos designers Maikon Nery e Gustavo André.

Um dos autores, Teixeira Quintiliano ressaltou que, apesar de atualmente estar quase relegado ao esquecimento, Oswaldo Diniz foi um personagem redescoberto pelo jornalista Ricardo Abe no livro “Ala Jovem: retratos de um movimento” (1998) e revisitado por outros autores, como o Fabio Henriques Giorgio na obra “Na Boca do Bode” (2005). “A ideia de escrever um livro somente sobre Diniz partiu destes registros e de outras histórias vivas na memória oral de músicos, atores, jornalistas e artistas que conviveram com ele ou assistiram, ouviram e, de algum modo, tiveram contato com o que ele produziu em Londrina. Este trabalho coletivo de pesquisa e redação recuperou partes da história que ainda não tinham sido contadas e que revelam a perspicácia e audácia de Oswaldo Diniz, um entertainer muito à frente do que os londrinenses poderiam esperar nas décadas de 60 e 70″, detalhou.

Trajetória

Nascido em 30 de abril de 1940 na cidade de Paraguaçu Paulista (SP), Oswaldo Diniz completaria 80 anos de idade na quinta-feira (30). Sua chegada em Londrina, para onde a família havia se mudado pouco antes, aconteceu no ano de 1965. Na cidade do Norte do Paraná, ele se tornou uma espécie de celebridade local em razão de sua atuação no rádio e na televisão. Na rádio Alvorada, apresentou uma série de programas como Brotos Somente Brotos, Disc-Jockey, Vitrola Mágica e É Disco Que Eu Gosto; e na TV Coroados, dirigiu e atuou em Aquele Que Contava Histórias (uma experiência local de teleteatro,com peças encenadas ao vivo), Bossa Total e o memorável Ala Jovem, uma versão local da Jovem Guarda.

No teatro, Diniz dirigiu montagens como Revolução na América do Sul, de Augusto Boal, e O Assalto, de Zé Vicente. Estes trabalhos, feitos com estudantes do Grupo de Teatro da Faculdade de Medicina, levaram em 1968 e 69 os prêmios de Melhor Peça nas duas primeiras edições do Festival Universitário de Londrina – uma mostra competitiva que, mais tarde, daria origem ao FILO.

No início da década de 1970, Diniz ainda trabalharia na Folha de Londrina, onde começou como designer gráfico. Em pouco tempo acumulou também as funções de jornalista e colunista, criando o Caderno 3, suplemento cultural que seria o embrião da atual Folha 2. Diniz chocou os leitores mais pudicos da província ao publicar, na capa desse suplemento, fotos de nus masculinos – feito que quase culminou com sua demissão da Folha. Antenado com o que acontecia nas artes no Brasil e no mundo, em sua coluna É Isso Aí!!?, Diniz resenhava lançamentos de discos, filmes, livros e peças de teatro, escrevendo textos curtos, bem humorados, mas muitas vezes impiedosos com seus alvos.

Por sua atuação como apresentador de programas de rock e seu envolvimento com o teatro dito “subversivo”, de vanguarda, Oswaldo Diniz acabou sendo associado aos movimentos transgressores da juventude, que revolucionava os costumes em todo o mundo nos anos 1960 e 70. No entanto, a partir de certo período,ele próprio começou a enxergar a contracultura com certo ceticismo, duvidando de sua capacidade transformadora. Por outro lado, por não se engajar com a militância mais ortodoxa em plena ditadura militar, Diniz foi bastante criticado por alguns intelectuais de esquerda da cidade. Mas a sofisticação do trabalho e o apelo pop sempre garantiram a ele um grande reconhecimento do público em Londrina.

Ainda nos anos 1980, Diniz se mudou para São Paulo, onde trabalhou em agências de comunicação por uma década. Voltou a Londrina em 1983, onde abriu o bar Pão, Filé & Cia. Mas a cidade pouco pode aproveitar com seu retorno: em 1984, em plena expansão da pandemia, Oswaldo Diniz faleceu vítima do HIV.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios