Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Edital para seleção de artistas fica aberto até 23 de maio

O Projeto “Quizomba: o samba e outros batuques” está de volta a Londrina e com novo formato. As quatro edições do ano vão ser realizadas em locais públicos nos meses de maio, julho, setembro e novembro, em diversos espaços públicos da cidade e serão gratuitas.

O que não muda é o objetivo de proporcionar o acesso e a fruição de manifestações artísticas e culturais, em especial àquelas de matriz africana e indígena, que não costumam ser veiculadas na grande mídia. As edições vão ter apresentações artísticas, vivências com mestres e mestras da cultura popular e também o “Quizomberê”’, com atividades lúdicas e artísticas voltadas para crianças e que substitui o antigo “Quizombinha.”

Artistas e oficineiros interessados em atuar nestas grandes festas populares tem até o dia 23 de maio para se inscrever no edital aberto pelo coletivo através do link: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSf3njjdghMMQLrdGj-lqVOXjAFC1RdS5AkZ_2oEnH8U1IoLYg/viewform?fbclid=IwAR3iZqY3Yf82d3XcwqxeEED9dUmNiW-8Kv7L8fOHi8CUAuF6ejvH2eo1oEM .

Já o público pode se preparar para a primeira edição da Quizomba, que vai ser realizado no dia 5 de maio, na Praça Ângelo Kretã, na divisa do Conjunto Maria Cecília com o Conjunto Luiz de Sá, na região norte de Londrina. A praça foi a escolhida em função do foco da primeira edição, a temática indígena. O cacique que dá nome à praça é Kaingang e  considerado a maior liderança indígena do Sul do país nos primórdios do movimento indígena na região.

Conheça um pouco da História da Quizomba

O Quizomba nasce em celebração à Semana da Consciência Negra em novembro de 2005 a partir de um projeto de extensão do Departamento de Artes Visuais da UEL, em parceria com a Casa de Cultura, com o intuito de propiciar o acesso às manifestações artísticas de tradição oral, principalmente de matrizes africana e ou indígena. O projeto também se propõe a articular artistas e públicos que apreciam este tipo de manifestação, propiciando um espaço de convivência entre os cidadãos londrinenses.

Em 2010 o projeto foi suspenso em decorrência da mudança de seus principais organizadores. Em 2013, com o assassinato de Dona Vilma (Yá Mukumby) foi realizada uma edição especial em sua homenagem e em homenagem a sua mãe (dona Allial) e sua neta (Olivia), também assassinadas em três de agosto de 2013.
A experiência de produzir uma edição especial do Quizomba no dia 17 de novembro de 2013 foi edificante e impulsionou a organização de um coletivo de experientes artistas e produtores que assumiu a responsabilidade de resgatar o projeto, nascendo assim o Coletivo Quizomba, que se manteve ativo entre 2013 e 2017, experimentando diversos formatos, mas sempre com o foco em atrações artísticas e culturais de matriz africana e indígena. A Vila Cultural Kinoarte se transformou então na sede do Coletivo e o espaço recebeu inúmeras edições da festa que era realizada uma vez por mês. O  fechamento da vila e a falta de patrocínio , junto com a necessidade de coletivo de não aumentar o valor dos ingressos , o projeto foi interrompido em 2018.

Volta agora com patrocínio do PROMIC – Programa Municipal de Incentivo à Cultura  e sai em busca de novos espaços públicos para interagir com pessoas que ainda não conhecem o Quizomba, propiciando a mistura do público já tradicional do evento com novas gentes. Vai explorar novos ares e lugares, mas mantendo o desejo de valorizar nossas tradições de matriz africana e indígena.

Luiza Braga/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios