Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Fernando Hiroki Kozu, do Departamento de Música e Teatro, teve sua composição "Sendas VI" selecionada. Das 213 peças musicais habilitadas na primeira etapa do concurso, 48 foram escolhidas pela Comissão de Seleção. Apresentações estão programadas para o período de 13 e 21 de novembro, na Sala Cecília Meireles (RJ).

O professor Fernando Hiroki Kozu, da Universidade Estadual de Londrina (UEL), teve sua composição musical, intitulada “Sendas VI”, selecionada para ser apresentada na XXIV Bienal de Música Brasileira Contemporânea, promovida pela Fundação Nacional de Artes (Funarte) e, nesta edição, em parceria com Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A Funarte divulgou, no último dia 19, o resultado final do edital de seleção, em publicação no Diário Oficial da União.

Fernando é do Departamento de Música e Teatro, do Centro de Educação, Comunicação e Artes da UEL. Esta será a terceira Bienal do professor, que também esteve nas edições de 2011 e 2013 – nesta última, ele apresentou a composição “Sendas” para violão solo e com textos de hai kais. A ideia de fazer uma série veio depois, e este ano “Sendas VI” apresentará uma obra para soprano solo, flauta, clarinete, saxofone, violino e piano, além do “diálogo” com os hai kais.

As apresentações estão programadas para o período de 13 e 21 de novembro, na Sala Cecília Meireles (Rio de Janeiro). Das 213 peças musicais habilitadas na primeira etapa do concurso, 48 foram escolhidas pela Comissão de Seleção. Assim como nas bienais anteriores, além dos autores concursados, haverá participantes convidados. São 26 compositores veteranos, com “obra estabelecida” e participação em, pelo menos, dez edições da Bienal e com idade acima de 50 anos.

Na avaliação do professor, a Bienal é o mais importante e mais significativo evento da música brasileira contemporânea, por ser realizado ininterruptamente desde os anos 70, por demonstrar alta qualidade musical e revelar novos talentos.

Bienal

 A Bienal de Música Brasileira Contemporânea foi criada por Edino Krieger e Myrian Dauelsberg, em 1975, inspirada nos dois Festivais de Música da Guanabara, realizados em 1969 e em 1970, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. As três primeiras organizadas pela Sala Cecília Meireles e, a seguir, assumidas pela Funarte, quando Krieger dirigia o então Instituto Nacional de Música da Fundação.

Desde o lançamento do programa houve 23 edições, sem interrupção. Foram apresentadas cerca de 1.800 obras, sendo 1.002 delas em primeira audição, com participação de quase 500 compositores, em grande parte jovens, que renovam a arte. Além disso, descobriu e consolidou centros musicais na maioria dos estados brasileiros.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.