Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Funcart inicia mais um ano do projeto Brisa - Saraus Artísticos, que promove a integração entre artistas, sociedade e pessoas em vulnerabilidade social. Primeiro sarau de 2020 acontece nesta quarta-feira, dia 5

Esta semana, a Fundação Cultura Artística de Londrina (Funcart) dá continuidade a um projeto que tem rendido ótimos resultados no sentido de devolver cidadania a pessoas em situação de rua por meio do direito constitucional à arte e à cultura. Trata-se do “Brisa”, que promove saraus e outras atividades voltadas especificamente para este público e abertas também a toda a comunidade, com periodicidade mensal e em diferentes pontos da cidade. Nesta quarta, dia 5, às 9 horas, o Brisa acontece no Centro POP, localizado na Av. Celso Garcia Cid, 1265. O local é um ponto de atendimento da Secretaria de Assistência Social, que apoia o projeto. O patrocínio é da Secretaria Municipal da Cultura de Londrina, por meio do PROMIC – Programa Municipal de Incentivo à Cultura.

Este primeiro sarau do ano contará com atrações ligadas à música, ao circo e ao teatro, além do tradicional palco aberto, para que pessoas do público exponham suas habilidades artísticas. A programação começa com uma Vivência Criativa conduzida por Silvio Ribeiro, coordenador do Brisa e da Escola Municipal de Teatro de Londrina. “É um momento para envolver o público participante e deixá-los à vontade para se colocar também como fazedores de arte, com exercícios rápidos de respiração, de concentração, de improvisação”, explica Silvio. Na sequência, haverá recital de violão solo com Arthur Guimarães, a esquete teatral “Mortos têm mãe?”, que aborda a violência do Estado, e a apresentação circense “Paixonites de um galalau”, com alunos e ex-alunos de artes cênicas da UEL.

Mesmo com os artistas convidados, a intenção do projeto é que o público em vulnerabilidade social seja o protagonista do trabalho e sinta-se integrados à comunidade cultural. “Eles realmente se colocam, têm o que dizer, têm o que mostrar em forma de música, de poesia, de encenação”, completa o coordenador. Um exemplo dos frutos gerados pelo Brisa é a Cia POP Show, grupo teatral formado por pessoas em situação de rua ainda na primeira edição do projeto e que continua o trabalho com ensaios semanais.

Nesta segunda temporada, que começou em outubro de 2019, o Brisa avançou as fronteiras do Centro POP e passou por importantes pontos de Londrina, como a Concha Acústica e o Terminal Rodoviário, chamando a atenção para a expressividade dos atendidos pela Assistência Social e sua capacidade de elaborar reflexões sobre suas vivências. “A marca principal do projeto Brisa é levar as pessoas que estão em situação de rua a um momento que só a arte é capaz de proporcionar – leve, de alegria, de apreciação. Mas a gente também quer refletir sobre questões que afetam e afligem a sociedade brasileira, principalmente as pessoas em vulnerabilidade social”, pontua o produtor João Ribeiro.

Esta segunda temporada do Brisa contará ainda com dois saraus: no dia 25 de março no mesmo Centro POP e no dia 13 de maio na Concha Acústica. Entre os dois, o projeto promove outra atividade importante: levará os atendidos do Centro POP a espaços culturais da cidade para assistirem a espetáculos de companhias consagradas da cena artística local, o Ballet de Londrina e o grupo vocal Entre Nós. Outra boa notícia é que a terceira temporada já foi aprovada pelo PROMIC e dará continuidade ao projeto no segundo semestre de 2020.

Renato Forin Jr./Asimp

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.