Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Com direção de William Pereira, grupo faz curta temporada nos dias 03, 04 e 05 no Ouro Verde

O espetáculo “Tango”, um dos textos mais conhecidos do dramaturgo polonês Slawomir Mrozek (1930 – 2013), marca a volta do grupo Proteu ao palco do Teatro Ouro Verde em curtíssima temporada, nos dias 03, 04 e 05 de maio, às 20h. Os ingressos custam R$10,00 e R$5,00 (meia entrada) e já estão à venda pela internet: www.sympla.com.br/proteu40ANOS, Loja Ciranda e na bilheteria do Teatro Ouro Verde.

Ambientada em um tempo indefinido na casa de Eleonora e Stomil, pais de Arthur, jovem estudante de Medicina, inconformado com a falta de regras e valores comuns da família. Apesar das tentativas estarem fadadas ao fracasso, o filho tenta impor uma ordem e assim, conceder algum significado às coisas.  Arthur tenta persuadir a avó a comportar-se decentemente, revolta-se contra a mansidão do pai e o duplo padrão de moralidade da mãe.  Ele mesmo quer ter um casamento tradicional, mas falha ao não declarar seus sentimentos à noiva.

Escrito por Slawomir Mrozek (1930 – 2013) nos anos 1960, “Tango” é um conto sarcástico sobre o conflito entre gerações, onde o idealismo juvenil se transforma em luta pelo poder sem escrúpulos e abre caminho para o despotismo. A direção da montagem é assinada por William Pereira, que atuou no Proteu em 1982, e hoje é considerado um dos mais importantes e representativos diretores de teatro e ópera no Brasil.

Para William Pereira, a escolha do texto deveria dialogar com a trajetória do grupo. “O espetáculo “Um Trágico Acidente”, de Carlos Queiroz Teles, montagem que o grupo encenou nos anos 1980 também falava de uma família disfuncional, então a proposta foi dar uma continuidade a esta história. Algumas soluções cênicas, inclusive, dialogam com aquele universo criado no “Trágico Acidente”, dirigido pela Nitis Jacon.”

Segundo o diretor, o texto fala muito do Brasil de hoje, por mais que tenha sido escrito em 1964. “Por trás de uma aparente irreverência, de uma farsa, o texto é muito contundente. Fala de totalitarismo, e de como surge um governo autoritário. Estamos muito ansiosos com a estreia e acredito que quem conheceu o Proteu verá os ecos deste grupo, e quem não conheceu, espero que tenha uma ideia do quão grandioso ele foi.”

Teatro da palavra

Um dos atores da montagem, Poka Marques fala da gratidão e da alegria em retornar ao palco do Teatro Ouro Verde, após tantos anos: “Estou impressionado por voltar a fazer um teatro que fazíamos - o teatro da palavra -, que se faz tão necessário e que discute o momento em que vivemos. Estamos enfrentando uma batalha maluca de montar um espetáculo de quase duas horas, em três atos, em 30 dias. E estamos fazendo com toda coragem, como a Nitis faria.”

A nova e a velha guarda

Criado em 1978 por Nitis Jacon, com o apoio da Universidade Estadual de Londrina, o Proteu (Projeto Experimental de Teatro Universitário) foi responsável por realizar montagens ousadas e emblemáticas ao longo de sua história, sendo escola para uma geração de atores e produtores londrinenses.

O espetáculo Tango traz no elenco os ex-integrantes do Proteu Mira Roxo, Maria Fernanda Coelho, Remir Trautwein, Poka Marques, e os atores londrinenses Sergio Mello, Rogério Costa, Luan Valero e Maíra Kodama. “Participar do projeto tem sido de muita emoção, por reunir a velha guarda do Proteu com atores jovens da cidade. Estamos fazendo uma homenagem ao grupo e a troca entre essas gerações tem sido um debate muito saudável”, avalia o diretor William Pereira.

Para a atriz Maria Fernanda Coelho, estas apresentações estão envoltas por muita emoção e homenagens. “O Projeto Proteu 40 anos tem sido um desafio muito importante de reencontro com o texto do teatro, com a dramaturgia e com a direção do William. Um projeto que agradece e homenageia Nitis Jacon, que nos forjou; agradece e homenageia nossos companheiros de tablado e de vida, Paulo Braz e Remir Trautwein, que estão conosco nos ensaios, nas apresentações, em nós, e totalmente presentes neste palco e neste teatro.”

Exposição de cartazes

Durante a temporada (de 03 a 05 de maio), o público poderá rever reproduções dos cartazes dos espetáculos da companhia teatral (com exceção dos três primeiros espetáculos), no saguão do Ouro Verde, juntamente com fotos e outras memórias.

O Projeto Proteu 40 anos conta com o patrocínio do Promic e Midiograf. Apoio: PROPCULT - Projeto Integrado de Política e Ação Culturais: Interfaces entre Universidade e Movimentos Culturais de Londrina. Apoio cultural: Crillon Palace Hotel, Armazém 112, Quatro Estações e Rádio UEL FM.

Clique nas fotos para ampliar

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios