Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O “Aparecida Debate” desta terça-feira (21/9), às 21h30, vai falar sobre o Trabalho Escravo. Uma dura e triste realidade que, infelizmente, o Brasil ainda enfrenta, 133 anos após ter sido abolido por lei. 

O programa da TV Aparecida vai mostrar que, na prática, esse tipo de exploração humana nunca deixou de existir e os números comprovam isso. Nos últimos 25 anos, quase 56 mil pessoas em situação análoga à escravidão foram libertadas em todo o País. Isso, graças às leis e políticas públicas que visam combater essa exploração e violência. 

A produção ainda traz a constatação de que, apesar de todo o esforço das autoridades e da própria Justiça, o trabalho escravo ainda representa uma grave violação aos direitos humanos e uma afronta à dignidade da pessoa humana. E a conclusão é de que a prática atinge a população mais vulnerável, na maioria negra, mantida às margens da nossa sociedade.

Para debater o assunto, o programa, apresentado pelo jornalista Eduardo Miranda, contará com a participação de Eduardo Zanella, desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª região e presidente do Comitê para a erradicação do trabalho escravo contemporâneo, do tráfico de pessoas, da discriminação de gênero, raça, etnia e promoção de igualdade. Também é convidada Márcia Consolação Silva, socióloga e diretora executiva da ONG Inpacto, organização sem fins lucrativos, que mobiliza os diferentes setores na promoção do trabalho decente. A missão da ONG é promover a prevenção e erradicação do trabalho escravo nas cadeias produtivas de empresas nacionais e internacionais.

Vera Jardim/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.