Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Um dos mais importantes eventos da área da cultura surda, evento será totalmente na Lingua Brasileira de Sinais. Encontro aberto nesta terça-feira (11), no Campus Universitário.

A Universidade Estadual de Londrina (UEL)  é sede de um dos maiores e mais importantes eventos da área da cultura surda. Trata-se da 2ª Semana Internacional da Difusão da Cultura Surda (SIDCS), realizada totalmente na Língua Brasileira de Sinais (Libras), que terá abertura hoje (11), no Campus Universitário.

A edição deste ano é internacional em função da parceria estabelecida com a Gallaudet University (EUA), única universidade do mundo que desenvolve programas para pessoas surdas. A palestra de abertura, marcada para 19 horas, no Anfiteatro do Centro de Estudos Sociais e Aplicados, será ministrada por Matthew Malzkuhn e Niesha Washington-Shepard, da instituição americana, por meio de videoconferência. Confira a programação completa no endereço - Semana de Difusão da Cultura Surda.

Renome

Com programação até 14 de fevereiro, a Semana conta com palestrantes de renome, como a atual diretora de Políticas de Educação Bilíngue de Surdos, da Secretaria de Modalidades Especializadas de Educação, do Ministério da Educação, Karin Lilian Strobel, e os professores da Universidade Federal de Santa Catarina, Ronice Muller de Quadros e Rodrigo Rosso Marques. As palestras serão ministradas no Anfiteatro do Centro de Estudos Sociais e Aplicados.

Além disso, serão realizados minicursos, apresentação de trabalhos e lançamento de livros. O local escolhido para estas atividades é o Centro de Educação, Comunicação e Artes.

Carência

Um dos organizadores do evento, o economista João Gabriel de Araujo Oliveira, idealizador da Semana, afirma que existe uma carência de eventos destinados aos surdos, que sejam totalmente acessíveis, na região norte do Paraná.

Por este motivo, o SIDCS 2020 é realizado 100% em Libras e traduzido para o Português. Com a internacionalização, haverá ainda palestra em American Sign Language (ASL), que será traduzido para Libras e Português.

"Este evento dá oportunidade aos membros da comunidade desta região o direito de organizar, participar, ser palestrante ou professor de minicurso, o que mostra sua grande relevância, não apenas no meio acadêmico, mas para que a sociedade em geral tenha conhecimento das lutas e vitórias desta comunidade", afirma João Gabriel.

Também fazem parte da coordenação do evento as professoras Cleusa Camargo de Oliveira e Thalita Gabriela Comar Charallo, do Departamento de Educação da UEL, e a pedagoga Franciele Oga Moreira.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios