Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Em um mundo de desigualdades, afirmarmos a própria existência é tarefa difícil para muitos. Negros, indígenas, mulheres, imigrantes, pobres, crianças, idosos, pessoas com habilidades especiais, entre outros, precisam lutar para dizer: “estou aqui, eu existo”. A natureza, cada vez mais devastada, também grita à sua forma: “sou parte legítima deste mundo”. E mesmo quem se sente bem ajustado à sociedade, por vezes se debate para ajustar-se a si mesmo, tamanhas são as tribulações que carregamos em nosso coração.

Ao longo da história, a poesia tem sido uma ferramenta poderosa de afirmação de nossa existência, bem como uma forma de R-existir às pressões internas e externas desse mundo. “A Tabacaria”, de Fernando Pessoa; “Os Estatutos do Homem”, de Thiago de Mello; “Aviso da Lua que Menstrua”, de Elisa Lucinda;

 “Tempo de nos aquilombar”, de Conceição Evaristo; “Retratos”, de Graça Graúna; “Rumo”, de Alda Lara; “Havemos de Voltar”, de Agostinho Neto; “A minha poesia sou eu”, de Amílcar Cabral. Esses são alguns exemplos de poetas de perfis distintos, oriundos de países lusófonos diferentes, e de poemas de suas autorias que servem pessoas e povos a R-Existir.

O V Festival de Poesia de Lisboa, em 2020, convida escritores a colocarem a poesia a serviço da R-Existência de indivíduos, de culturas e do próprio planeta.

As inscrições permanecerão ABERTAS até o dia 15/06.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.