Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Judite da Luz dos Santos/Asimp

Uma das grandes expressões do piano das últimas gerações, Sérgio Tiempo, é o convidado para o concerto da Orquestra Sinfônica do Paraná deste domingo (21), às 10h30, no Guairão, sob a regência do maestro Osvaldo Ferreira. O programa é composto por Concerto para piano nº 1 de Piotr Ilitch Tchaikovsky; Kabbalah, Op. 96 de Marlos Nobre e Variações Sobre um Tema Alentejano de Joly Braga Santos.

Sérgio Tiempo já se apresentou com várias orquestras como a de Chicago, Houston, Montreal e Simon Bolivar, Filarmônicas de Los Angeles, Tóquio, Rotterdam e Radio France. Em 2012 tocou na abertura do Concurso Internacional BNDES de Piano do Rio de Janeiro com a Orquestra Sinfônica Brasileira. Ficou conhecido no cenário internacional aos 14 anos quando tocou no ciclo “Grandes Pianistas” no Concertgebouw de Amsterdã. Desde então se apresenta com importantes regentes como Claudio Abbado, Gustavo Dudamel, Charles Dutoit, Christoph Eschenbach, Leonard Slatkin, Michael Tilson Thomas, Sir Mark Elder, Roberto Tibiriçá. Fez uma série de gravações para o selo JVC Victor (Japão), para a Deutsche Grammophon, e para a EMI Classics, todas recebidas com entusiasmo pela crítica.

Neste concerto, com a Orquestra Sinfônica do Paraná, Sérgio Tiempo interpreta o famoso Concerto Nº 1 para piano em Si bemol menor, Op. 23  foi escrita entre 1874 e 1875, foi revista duas vezes, em 1879 e 1888. A versão original estreou em Boston em 1975, regida por Benjamin Johnson Lang, com Hans von Bülow ao piano, para quem o compositor dedicou a peça.de Tchaikovsky. A obra possui caráter dramático em sua tensão entre solista e orquestra exigindo grande técnica e virtuosidade do pianista. A obra

Compõem o programa também Kabbalah Op.96 do compositor brasileiro, Marlos Nobre, escrita em 2004 por encomenda do 35º Festival Internacional de Campos do Jordão. A obra foi inspirada nos preceitos fundamentais da cabala e concebida a partir dos números cabalísticos que definiram sua estrutura rítmica e melódica. Variações Sinfônicas Sobre um Tema Alentejano,Op. 18de Joly Braga Santos, compositor português que encerra o concerto. Escrita em 1951, a peça estreou em 1953 e foi dedicada ao maestro, compositor e cantor Pedro de Freitas Branco.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios


Notice: Undefined variable: usuario_tk in /var/www/vhosts/jornaluniao.com.br/httpdocs/widget_footer.php on line 245
NULL