Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Hospital Cristo Rei receberá mensalmente do Governo Estadual 50% da receita proveniente dos atendimentos do SUS. Prefeitura também renovou contrato por mais um ano e repassará R$ 187.519,93 ao HCR

O prefeito José Maria esteve na Assembleia Legislativa, em Curitiba, no último dia 26, terça-feira, juntamente com outros administradores públicos da Região Metropolitana de Londrina (RML) para buscar recursos para os hospitais públicos que se encontram sob intervenção decretada pela justiça estadual e também Santa Casas Filantrópicas.

O objetivo da ida do prefeito José Maria à Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) foi fazer um trabalho político para a obtenção de novos subsídios ao Hospital Cristo Rei (HCR). "Mesmo o HCR sendo de média complexidade e de responsabilidade do Governo do Estado e da União e não do poder público municipal, eu, como agente público, entendo que os cidadãos que usam o serviço são a prioridade e precisam do hospital com as condições necessárias para um bom atendimento", avaliou José Maria.

O prefeito já havia conquistado para o hospital em 2014, junto ao governo estadual, um convênio de manutenção. Durante 18 meses o HCR recebeu cerca de R$ 186 mil, por mês. "Este convênio foi encerrado em março. Devido a conclusão do tempo de vigência estamos buscando outro para que seja possível incrementar a renda do hospital", informou o prefeito.

Com este novo subsídio, proposto pelo governador Beto Richa, os hospitais públicos e filantrópicos que atendem pelo Sistema Único de Saúde (SUS) receberão até 50% da receita oriunda pelo SUS, por mês. "O hospital de Ibiporã produz entre R$ 340 e 350 mil com o SUS. Em relação ao antigo convênio de manutenção haverá uma pequena queda do valor mensal recebido. Porém, por outro lado, o novo convênio terá vigência de 24 meses e quanto maior for a produção do HCR para o SUS maiores serão as possibilidades de o repasse ter valor mais alto. Este convênio em andamento no governo do Estado será de suma importância para a manutenção do hospital", expôs José Maria.

A administração municipal também faz repasse ao hospital de Ibiporã através do Contrato de Prestação de Serviços Complementares da Rede Básica de Saúde. "Prorrogamos o contato até abril de 2017 e corrigimos o valor de acordo com a variação anual do índice de IGPM/FGV de R$168.076,17 para R$187.519,93 que já serão pagos referentes a este mês de abril. Este valor é para o custeio dos atendimentos de ortopedia, urgência e emergência demandados pelas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e também pela UPA", revela o prefeito. "Para efetuar nosso repasse todo mês retiramos dos valores que recebemos do ICMS, IPTU e taxas que poderiam ser usados em outras áreas da cidade. Para um atendimento efetivo, a secretaria municipal de Saúde está atenta e dando atenção especial para o nível que desejamos nos plantões e urgência, emergência e atendimentos ortopédicos que temos pagos", complementou o chefe do Executivo.

Conforme José Maria, o setor da saúde tem enfrentado dificuldades em todo o país, porém Ibiporã ainda possui uma situação diferenciada. "Nossa rede de UBSs que implantamos desde 2009, juntamente com a UPA 24h, tem dado respostas muito positivas e desafogado uma demanda continuamente crescente. Ibiporã conta com estruturas e corpo funcional prestativos que amenizam essas dificuldades" analisou ele.

Para complementar a rede básica municipal de saúde, a administração municipal está construindo mais duas UBSs, uma no Conjunto Habitacional Agenor Barduco, que possui área construída de 466,69 m², distribuídos em 32 ambientes, entre eles salas de hidratação, espera, almoxarifado, farmácia, pré e pós consulta, CPD, vacina, nebulização. Consultórios médicos e odontológico, banheiros masculino, feminino e para cadeirantes, contemplando todas as exigências da Agência Nacional de Saúde (Anvisa).

 A outra unidade de saúde está sendo construída no distrito rural da Taquara do Reino. Com 302,63 m² de área construída, a UBS terá consultório odontológico, dois consultórios médicos, sendo um para Clínica Geral e outro para Ginecologia e Obstetrícia, salas de observação, coleta, inalação, expurgos, vacina, curativos e farmácia. Dois banheiros para o público são adaptados para portadores de deficiência.

As duas unidades de saúde estão em fase final de construção e devem ser entregues à população na metade deste ano. A administração municipal contratará, ainda no primeiro semestre deste ano, 20 novos profissionais de saúde para a rede básica, sendo médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem.

Bárbara Vieira/Asimp/PMI

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios