Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Setores de eventos, turismo e hotelaria, academias e alimentação fora de casa estão entre os mais prejudicados na cidade

A pandemia de coronavírus afetou 81% das empresas instaladas em Londrina. É o que aponta o resultado da pesquisa do Sebrae/PR sobre os impactos da Covid-19 na economia local. O levantamento, divulgado ontem (19), integra a terceira etapa do Plano de Retomada da Economia, que prevê o diagnóstico e compreensão da situação atual para o planejamento das ações que irão apoiar o crescimento das empresas locais. Ao todo, foram entrevistados 829 empresários de 32 diferentes atividades econômicas. A margem de erro da pesquisa é de 2,3%.

Do total de empresas consultadas, 50% são de pequeno porte (MPE), 40% microempreendedores individuais (MEI) e 10% de médio e grande porte (MGE). Dos negócios locais, 72% apresentaram queda no faturamento, 19% mantiveram os mesmos números e 8% aumentaram. O impacto mais significativo ocorreu nos setores de academias e esportes – 100% dos negócios consultados declararam que tiveram queda no faturamento -; alimentação fora de casa (95%); eventos (94%), turismo e hotelaria (90%); e beleza (87%). Em dezembro, quando a pesquisa foi realizada, apenas 40% dos negócios operavam de forma digital.

Apesar das dificuldades financeiras, 66% dos empresários informaram que não necessitaram buscar empréstimos ou financiamentos. Entre os que precisaram de crédito, 92% das médias e grandes empresas receberam total ou parcialmente, assim como 66% das micro e pequenas empresas e 44% dos microempreendedores individuais. As principais dificuldades encontradas no acesso a recursos financeiros foram a demora na liberação, documentação, garantias, empresas negativadas, taxas de juros. O estudo revelou ainda que 70% dos empresários pesquisados não conhecem a Sociedade Garantidora de Crédito (SGC), que garante financiamentos para os negócios.

Antes da pandemia, 60% das empresas consultadas previam fazer investimentos. Com a mudança de cenário, 50% decidiram adiar os planos, 22% preferiram cancelar, 14% revisaram para menos, 10% mantiveram integralmente e 4% revisaram para mais. Questionados sobre investimentos em tecnologia, 46% disseram necessitar investir na área. A maioria apontou como necessidade o investimento em marketing digital (71%), comércio eletrônico (28%), aplicativos para reuniões online (28%), meios de pagamentos digitais e moeda virtual (21%).

Durante esse período de isolamento e medidas restritivas para conter o avanço da Covid-19, 21% das empresas pesquisadas informaram que demitiram funcionários. Entre os setores que mais demitiram estão o de fabricação de móveis (60%), comércio atacadista (41%) e turismo e hotelaria (40%). Ao considerar o porte de empresa, as médias e grandes foram as que mais precisaram dispensar colaboradores (52%). Do total de empresários ouvidos pelo estudo, 77% informaram não estarem associados ou cooperados a alguma entidade empresarial.

O consultor do Sebrae/PR, Sérgio Ozório, explica que a pesquisa traz um diagnóstico de como e quanto a pandemia afetou os negócios no município. “Os dados vão facilitar a elaboração das medidas que serão adotadas para minimizar os impactos da crise e alavancar a economia”, conta.

Com base no levantamento, foram elencados 11 principais impactos da Covid-19, que serão mitigados por programas e projetos propostos pela prefeitura e entidades empresariais de Londrina. As ações serão ofertadas nas seguintes temáticas: ambiente para negócios, qualificação empresarial e da força de trabalho, fomento a negócios locais, finanças empresariais, tecnologia e inovação, e gestão pública eficiente.

Para o diretor-presidente do Instituto de Desenvolvimento de Londrina (Codel), Bruno Ubiratan, a partir do estudo será possível traçar estratégias eficazes para apoiar os empresários. “Vamos dar apoio ao Sebrae/PR, sociedade civil organizada e ao ecossistema para colocar em prática as ações o mais rápido possível”, afirma.

Nos próximos três meses, os grupos de trabalho compostos pela força-tarefa - que reúne, além do Sebrae/PR e da Codel, a Acil, Ceal, Fiep, Prefeitura de Londrina, Sincoval, Sindimetal, Sinduscon Paraná Norte, TI Paraná e SRP -, vão se reunir para definir e executar as propostas.

Asimp/Sebrae/PR

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.