Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Economia 23/01/2014  11h20

A força da economia africana

Região subsaariana deve expandir o PIB em 5,3% em 2014; Angola e Moçambique com taxas na casa dos 8%

Porto de Luanda, capital angolana
 
As economias emergentes devem crescer 5,3% em 2014, impulsionadas pelo robusto crescimento da China e por índices melhores nos países ricos. Na África, Angola e Moçambique destacam-se, com previsões na casa dos 8%. As informações fazem parte do relatório “Perspectivas Econômicas Globais”, divulgado pelo Banco Mundial.
 
Em 2013, a África subsaariana cresceu 4,7%, motivada pelo fortalecimento do mercado interno e por investimentos estrangeiros não só em setores tradicionalmente beneficiados, como petróleo, gás e mineração, como em setores não-extrativistas. A previsão é que a região alcance os 5,3% em 2014.
 
De acordo com o Banco Mundial, em muitos países da região, os programas governamentais de investimentos em infraestrutura para aumentar a capacidade de exportação beneficiaram a economia local. A Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) cresceu 7,3% no ano passado, o que demonstra o aumento da capacidade de produção e a confiança dos empresários. A desaceleração contínua da inflação em algumas nações – puxada pela redução no preço dos alimentos e por mudanças nas políticas monetárias – somada ao aumento de 6,2% nas remessas, deve contribuir para o aumento do consumo interno.
 
A instituição alerta, no entanto, para os índices de desemprego e pobreza que continuam elevados na região e podem influir negativamente no nível de consumo. Outros fatores internos, como aumento da dívida pública, a insegurança provocada por conflitos e choques climáticos também podem impactar a economia.
 
Como fatores externos, o relatório cita a desaceleração no crescimento dos mercados emergentes e a lenta recuperação das economias desenvolvidas, que poderiam causar uma queda nos preços de commodities, o que, de acordo com o Banco, reduziria o ritmo de crescimento, mas não geraria um colapso econômico na região. Nesse cenário, os países que dependem das exportações de minerais seriam os mais prejudicados.
 
Angola e Moçambique com crescimento acima da média
 
Os parceiros brasileiros Angola e Moçambique crescerão em 2014, em termos relativos, mais que a China. Em 2013, o PIB de Angola manteve-se na média da região, com aumento de 5,1%, e deve acelerar para os 8% em 2014, com previsão de 7,3% e 7% nos dois anos seguintes. Em Moçambique, os conflitos de ordem política, iniciados em outubro, não frearam o crescimento de 7% do PIB, com perspectivas de alcançar os 8,5% neste ano e em 2015.
 
“O crescimento na região subsaariana deverá ser impulsionado tanto pelos países com recursos naturais quanto pelos outros. Os exportadores de petróleo, liderados pela Angola, deverão crescer, em média, 6,4% entre 2014 e 2016″, aponta o documento.
 
Gana e Tanzânia – grandes exportadores de minérios, a exemplo de Moçambique – também manterão a tendência de crescimento. Já a África do Sul, principal economia regional, gargalos no setor de infraestrutura, combinadas a tensões nas relações de trabalho e fraca demanda externa contribuíram para o crescimento modesto de 1,9% em 2013, o que impactou os resultados regionais. Excluindo o país do cálculo, o crescimento do PIB da subsaariana alcança 6% de crescimento.
 
A economia dos países do norte e a primavera árabe
 
Os países que viveram em 2011 a primavera árabe e vivem um momento de transição política marcado pela instabilidade apresentaram resultados econômicos discretos em 2013, tendência que deve se repetir em 2014. O Egito cresceu 2% em 2013, com perspectivas de chegar a 2,2% este ano. A Argélia deve alcançar 3,3% em 2014, uma leve recuperação em relação ao ano passado, quando o resultado foi de 2,8%.
 
O Banco Mundial destaca o aumento do desemprego entre jovens, o acesso desigual a oportunidades econômicas, a violência e a necessidade de melhorias na prestação de serviços como fatores que contribuíram para a ocorrência da primavera árabe ainda não superados.
 
Crescimento abaixo da média no Brasil
 
O Brasil deve apresentar uma das menores taxas de crescimento entre os países emergentes e inferior à media da economia global em 2014. A previsão é que o PIB se expanda em 2,4% -à frente apenas do Egito e do Irã. A economia mundial deve alcançar 3,2% de crescimento.
 
A instituição, no entanto, se mostra otimista quanto às perspectivas econômicas brasileiras. O país, de acordo com o Banco, passará por uma fase de recuperação econômica nos próximos dois anos, alavancada por investimentos públicos motivados pelos grandes eventos esportivos sediados no Brasil e pelo aumento nas exportações.
 
(Fonte: brazialfrica)

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.