Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Medida repassa ao consumidor, que financiar imóveis novos ou usados, a queda de 0,25 ponto percentual da Selic (taxa básica de juros)

A taxa de juros cobrada pela Caixa Econômica Federal no crédito imobiliário para pessoa física e jurídica será reduzida. O banco anunciou, na terça-feira (8), a diminuição da cota mínima de financiamento dentro do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE).

A medida repassa ao consumidor, que financiar imóveis novos ou usados, a queda de 0,25 ponto percentual da Selic (taxa básica de juros).

Salário

Clientes que adquirirem imóveis novos ou na planta, cuja construção tenha sido financiada pela Caixa, e fizerem a opção de receber o salário pelo banco, terão taxas de juros especiais, iguais às oferecidas aos servidores públicos.

As taxas de juros passariam, nesse caso, de 11,22% a.a para 9,75% a.a, no caso de imóveis dentro do Sistema Financeiro de Habitação (SFH), e de 12,5% a.a para 10,75% a.a, para imóveis enquadrados no Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI).

As medidas são reflexo da diminuição da taxa Selic, anunciada recentemente pelo Banco Central. O objetivo é contribuir para o crescimento das vendas de imóveis novos de construtoras parceiras e atrair novos clientes para a instituição.

Em 2016, a Caixa já disponibilizou R$ 93 bilhões para o crédito habitacional e já aplicou R$ 66,2 bilhões. A expectativa é aplicar R$ 26,8 bilhões até o final do ano.

Diminuição do valor mínimo

Além da redução de juros e taxa especial, a Caixa, que tem participação de 66,9% no mercado imobiliário, promoveu melhoria de condições no financiamento de imóveis para pessoa física. O limite mínimo de financiamento no SBPE passou de R$ 100 mil para R$ 80 mil. A medida busca atender ao mercado de unidades habitacionais nessas faixas e vale para imóveis novos e usados, dentro do SFH e SFI.

O limite do SFH para imóvel residencial é R$ 650 mil, para todo o País, exceto para Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal, onde é de R$ 750 mil. Os imóveis residenciais acima dos limites do SFH são enquadrados no SFI.

Apoio à construção civil

Para o segmento Pessoa Jurídica, a Caixa reduziu a taxa de juros em 1 p.p., em todas as faixas de relacionamento. As taxas para Micro e Pequenas Empresas (MPE) cairão de 14% para 13% e para Médias e Grandes Empresas (MGE), de 13,5% para 12,5%.

O banco implantou também o sistema de taxa segregada por rating para o segmento corporativo, que visa beneficiar as empresas com alto índice de relacionamento com a Caixa.

Com a medida, a redução de juros, de acordo com o relacionamento, pode chegar até 1,5 p.p. Para empresas com rating A, a taxa deve variar de 12,5% para 11%. Para empresas com rating B e C, as taxas mínimas chegarão, respectivamente, a 11,5% e 12%.

Para imóveis enquadrados no SFI, o banco modificou a remuneração do Correspondente Caixa Aqui (exceto repasses), padronizando em 1% o valor do financiamento, com limite de R$ 2 mil nas operações do FGTS e sem limite para o SBPE.

A Caixa ainda realizou uma série de ajustes para empresas que pretendem financiar a construção de empreendimentos pelo banco (Apoio à Produção) dentro do SBPE, como elevação do prazo do produto para até 36 meses; concessão de carência pós-obra de 12 meses; utilização da tabela Price nos contratos de produção e possibilidade de acréscimo de 25% sobre a obra a executar.

Fonte: Portal Brasil, com informações da Caixa Econômica Federal

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.