Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Nos últimos 12 meses, a indústria cresceu 8,5%. Em relação a abril, o resultado é de queda de 1,4%

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou ontem (8/7) os indicadores de produção industrial regional referentes a maio deste ano. Pelos números, o Paraná acumula crescimento de 20% no setor nos primeiros cinco meses de 2021, e de 8,5%, nos últimos 12 meses. Em relação ao mesmo mês de 2020, o resultado também é positivo, com alta de 23,7%, enquanto na comparação com abril, houve queda de 1,4%.

O desempenho do estado é melhor quando comparado com o nacional. No Brasil, a indústria registra crescimento de 13% até maio, e de 4,9% nos últimos 12 meses. Em relação a maio do ano passado, houve elevação de 24%. Já na comparação com abril último, o setor industrial cresceu 1,4% no país. O Paraná obteve a quinta melhor performance entre os estados da federação no resultado acumulado do ano e está entre os seis primeiros nos últimos 12 meses. Em 2020, analisando o intervalo dos primeiros cinco meses, o Paraná havia registrado queda de 8,8%. Mas o estado foi o que obteve o melhor desempenho do país em maio de 2020, na comparação com o mês anterior daquele ano, com crescimento de 21,6%.

De acordo com o economista da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Marcelo Alves, a recuperação de setores importantes no estado pode explicar os números. Dos 23% de crescimento da indústria paranaense em maio, a produção automotiva contribuiu com mais de 10% na composição desta alta, ou seja, a performance da atividade teve um peso de 44% no resultado. No ano, o setor automotivo acumula 54% de alta, embora nos últimos 12 meses os números ainda revelem retração de 5,8%, reflexo do forte impacto que o segmento teve com interrupção total das atividades no início da pandemia.

 “O segmento automotivo representa em torno de 10% do PIB industrial geral do Paraná, junto com alimentos e petróleo, está entre os mais relevantes do estado. Por isso a recuperação da atividade é importante na avaliação do resultado geral da indústria este mês”, aponta Alves. Como contraponto, ele avalia a queda de rendimento no setor alimentício, o de maior peso no PIB do estado, aproximadamente 20%. No ano, o setor acumula 6,2% de redução e, em maio, encolheu 2%. A pesquisa do IBGE aponta que a produção de açúcar cristal, produtos derivados da soja e carnes caíram no mês.

 “Estes produtos sofrem impacto direto da cotação do dólar, o que pode influenciar nas exportações destes produtos, que perdem competitividade no mercado internacional. Outra explicação pode ser uma queda no consumo destas mercadorias aqui no Brasil”, avalia o economista. Setor de máquinas e equipamentos, que também teve dificuldade no início da pandemia, vem em recuperação. Acumula crescimento de 83% de janeiro a maio, e de 24% nos últimos 12 meses. Outro bom resultado vem do segmento madeireiro, que acumula alta de 59% no ano e de 34% de junho de 2020 a maio deste ano.

 “Os números do IBGE apontam para uma melhor fase nestes setores, sugerindo que o pior período ficou para trás. A recuperação deles também indica que a escassez de insumos também está sendo superada. Por isso, o resultado da produção tende a melhorar nos próximos meses”, avalia Alves.

Por outro lado, o resultado mensal, quando avaliado em relação a meses anteriores, confirma uma oscilação nos resultados de produção industrial. Enquanto janeiro (1,2%) e março (0,8%) foram de crescimento, fevereiro (-1,9%), abril (-2,2%) e maio (-1,4%) registraram retração. Para o economista, isso pode ser reflexo do resultado de queda apresentado em algumas atividades que não vem desempenhando bem este ano, como alimentos (-1,6%) e celulose e papel (-0,47%).

O economista pondera ainda que o avanço da vacinação no país pode contribuir com uma melhora de cenário nos próximos meses. “Com maior cobertura vacinal e mais pessoas imunizadas, o mercado tende a ficar mais estabilizado, com retomada das atividades, aumento da renda e do consumo. Isso pode ajudar a acelerar o ritmo da atividade econômica como um todo”, conclui.

Asimp/Fiep

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.