Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Três setores que refletem o ânimo da atividade produtiva – combustíveis, energia e papel e embalagens - confirmam que a economia do Paraná voltou a embalar em 2017. Considerados termômetros do desempenho da economia, os setores fecharam o ano passado com avanço. O consumo de combustível bateu recorde e as vendas de energia e embalagens tiveram o melhor resultado desde 2014.

O consumo de óleo diesel segue o ritmo de principalmente do transporte de cargas e mercadorias. De acordo com a Agência Nacional de Petróleo (ANP), foram comercializados 5,15 milhões de metros cúbicos de óleo diesel em 2017 no Paraná, 3,3% acima do ano anterior. No caso da gasolina, as vendas cresceram 6,4%, para 2,88 milhões de metros cúbicos.

“O consumo de óleo diesel tem relação direta com a movimentação de cargas, que por sua vez mostram como anda a atividade econômica. Quando a economia cresce, há mais transporte de mercadorias da indústria para as lojas, por exemplo”, diz Julio Suzuki Júnior, diretor-presidente do Ipardes

Embora os resultados do Produto Interno Bruto (PIB) do Estado em 2017 ainda não estejam disponíveis, tudo indica que o Paraná vem tendo uma retomada mais vigorosa do que a média do País.

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-BR), indicador que costuma ser uma prévia dos resultados do PIB, mostra que a atividade no Paraná cresceu 2,7% em 2017 – bem acima dos 1,04% registrados pelo Brasil.

Os dados oficiais do PIB do Estado devem ser divulgados pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes) dentro de dez dias.

INDÚSTRIA - O consumo de energia também cresceu, com o melhor resultado desde 2014, de acordo com a Copel. No total, foram 29,9 milhões de MWh, 3,4% acima do volume registrado em 2016.

A alta foi influenciada pela maior demanda nas atividades das indústrias nos ramos de produtos alimentícios (variação de 6,7%), celulose, papel e produtos de papel (5,7%), além da fabricação de produtos de madeira (3,7%).

O presidente da Copel, Antonio Sergio Guetter, avalia que os resultados demonstram uma recuperação rápida do mercado no Paraná frente à crise dos últimos anos.

Com o crescimento da produção nas fábricas, também cresce a indústria de papel e embalagens. Dados da Federação da Indústria do Paraná (Fiep) mostram que as vendas do setor de papel e celulose (que abrange também a fabricação de embalagens) cresceram 5,04% dentro do Paraná em relação a 2016. As vendas são reais, já descontada a inflação no período.

Para o economista Roberto Zurcher, do departamento econômico da Fiep, outro setor que indica a retomada é o de máquinas e equipamentos, que no ano passado cresceu com o agronegócio e a decisão de algumas empresas de desengavetarem projetos de expansão.

“O desempenho desse setor é importante porque sinaliza se as empresas estão investindo mais e se estão mais confiantes no futuro. É preciso lembrar que o investimento é um dos principais motores do crescimento econômico”, diz ele. As vendas de máquinas e equipamentos cresceram em termos reais 1,5% no Paraná em 2017.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.