Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Crise do setor elétrico e retomada de contrato com a Usina Elétrica a Gás de Araucária alavancou os resultados da companhia e elevou em quatro vezes seu faturamento 

A Concessionária responsável pela distribuição de gás natural no Estado do Paraná, a Companhia Paranaense de Gás (Compagas) foi a empresa brasileira que mais cresceu em 2014, devido ao incremento real das vendas líquidas. De acordo com a 42ª edição do Guia Melhores & Maiores, da revista EXAME, a Compagas passou da posição 960ª para 342ª no ranking das maiores do país. A conquista é resultado de um recorde em 20 anos de história da empresa, as vendas foram as maiores já registrado pela companhia e chegaram à média de 2.803.114 m³/dia, volume de gás que representa alta de 169% em relação ao comercializado em 2013, de 1.042.123 m³/dia. O incremento de mais de 1,7 milhões de m³/dia é explicado pelo contrato assinado com a Usina Elétrica a Gás de Araucária (UEGA) no valor de R$ 1,5 bilhões, para uso do gás natural na geração de energia elétrica. Como consequência, o contrato com a UEGA possibilitou à empresa o faturamento recorde de R$ 2,4 bilhões, valor cinco vezes maior do que o registrado em 2013, quando a receita bruta foi de R$ 480 milhões.

Ainda de acordo com o ranking divulgado pela EXAME, entre as estatais, a Compagas ocupa a 35º posição e no segmento de energia a companhia paranaense é a 13ª melhor do país. Quando levadas em conta apenas as concessionárias de gás natural, a empresa é a 4º maior, ficando atrás apenas das distribuidoras de gás natural dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro.

O diretor-presidente da Compagas, Fernando Ghignone, destaca que a crise do setor elétrico brasileiro abriu uma oportunidade para o crescimento do gás natural na matriz energética do país e, consequentemente, da Compagas. “A expectativa é que a demanda pelo gás natural continue aumentando nos próximos anos com a expectativa de lenta recuperação do nível dos reservatórios das hidrelétricas”, destaca. Outra tendência apontada por Ghignone para 2015, decorrente da crise no setor elétrico, é a maior utilização do gás natural para a geração de energia elétrica por indústrias em horários de pico. Nos resultados da Compagas, o segmento registrou crescimento de 113% em relação a 2013.

Com o incremento de 24% em relação ao ano anterior no número de clientes, o segmento residencial fechou 2014 com 25.466 unidades domiciliares com o gás natural.  O aumento de mais de 5 mil clientes elevou o consumo de gás e a média diária de consumo passou de 14.058 m³, em 2013, para 15.241 m³ em 2014. Tais resultados possibilitaram à Compagas encerrar o ano com participação de 3% no volume nacional de gás natural comercializado, permanecendo como a 3ª maior distribuidora em número de consumidores residenciais, totalizando 26.052 clientes em todos os segmentos.

Em 2014, a companhia também fechou contrato com mais 15 indústrias. Destaque para a Evonik, primeira indústria do município de Castro a fechar contrato com a Compagas, que tem e consumo estimado em 15 mil m³/dia de gás natural como matéria-prima na linha de produção. Na comparação nacional, o consumo das indústrias paranaenses, que foi de 342,5 milhões de m³ em 2014, representa 2,77% do total de gás natural utilizado pelo setor.

O segmento veicular registrou um aumento de 1,37% no número de usuários de GNV na comparação com 2013. Em 2014, 450 carros passaram a integrar a frota de veículos a gás natural no Paraná, sendo Curitiba o município que registou o maior crescimento, com 110 veículos. O volume comercializado para o segmento foi de 32,8 milhões de m³ do combustível, média diária de 90.100 m³. De acordo com Fernando Ghignone, para 2015, a expectativa é de crescimento em virtude do reajuste do custo da gasolina autorizado pela Petrobras. “De 2012 a 2014, o governo adotou a prática de contenção do preço dos combustíveis líquidos para segurar a inflação, o que deixou de ser feito neste ano. Com isso, a economia média gerada pelo GNV em relação ao álcool e a gasolina, que foi de até 50% em 2014, deve aumentar ainda mais, puxando o crescimento do nosso produto”, projeta o diretor-presidente da Compagas.

Investimentos

Em 2014, a companhia deu continuidade à expansão da infraestrutura de sua rede de distribuição, com o objetivo de criar condições para o atendimento de novos consumidores. No período, a malha de dutos cresceu 80 km, totalizando 726 km, aumento de 12% em relação a 2013. Este crescimento exigiu investimentos totais de R$ 81,4 milhões.

Para os próximos anos, estão previstos projetos que visam interiorizar a rede de distribuição para as regiões Norte e Sul do Paraná. “O nosso principal objetivo é levar o gás natural a mais cidades do Paraná, dando condições competitivas a cada uma delas. Além disso, é nosso dever viabilizar a diversificação da matriz energética no Estado, colocando o gás natural como um insumo indispensável ao desenvolvimento”, conclui Ghignone.

Kariny Martins/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios