Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Apenas o Governo do Estado realizou R$2,3 bilhões em compras públicas em 2020, sendo 28% de micro e pequenas empresas

O Governo do Paraná, prefeituras e órgãos públicos em geral são potenciais compradores dos mais diversos tipos de produtos e serviços, por meio de processos licitatórios. E essas licitações também podem representar boas oportunidades de negócios para as micro e pequenas empresas. Apenas o Governo do Estado realizou no ano passado R$2,9 bilhões em compras públicas, por meio de 1.105 processos de contratação. Ao todo, entre os processos homologados (R$2,3 bilhões), R$662 milhões foram concluídos pelas micro e pequenas empresas (28%). Os dados são da Secretaria de Administração e Previdência do Paraná.

O volume também é significativo entre os municípios. Segundo o Tribunal de Contas do Paraná, em 2019, os municípios do Estado realizaram R$15,3 bilhões em compras públicas, sendo 39% feitas por MPEs. As compras locais também representavam em média 49% do poder de compra de cada município.

Mesmo durante a pandemia, as compras públicas continuaram a ser realizadas e até mesmo cresceram. O valor de compras públicas pelo Estado em 2020 mais do que dobrou em relação a 2019, quando o total foi de R$310 milhões.

 “Os governos são grandes compradores de produtos e serviços e é benéfico que adquiram de pequenas empresas regionais, uma vez que isso estimula o desenvolvimento da economia local e faz o dinheiro girar na região. Além disso, para a empresa também representam uma ótima possibilidade de novos negócios, especialmente, em um momento de crise como o que estamos vivendo”, explica consultora do Sebrae/PR, Juliana Schvenger.

Muitos donos de micro e pequenos negócios, porém, não conhecem as particularidades ou possuem poucas informações a respeito dos processos licitatórios. Para isso, o Sebrae/PR também realiza capacitações.

O Sebrae/PR, em parceria com o Fórum Permanente da Micro e Pequena Empresa (Fopeme), ainda presta consultorias e orientações sobre o tema por meio dos 19 Escritórios de Compras Públicas presentes em diferentes regiões do Estado, serviço público prestado de forma mista, através de parceria entre órgãos da administração pública e a iniciativa privada. As informações sobre as licitações em andamento também podem ser conferidas no site do programa Compra Paraná.

 “Com os trabalhos dos Escritórios e Salas do Empreendedor, os empreendedores são capacitados e podem se preparar para as licitações. Eles precisam conhecer o processo, as condições de participação, saber sobre a entrega e prazos. Buscamos desmistificar a ideia de que participar de uma licitação é algo inacessível para os donos de micro e pequenos negócios”, explica o secretário-técnico do Fopeme, Mario José Dória da Fonseca.

Outra vantagem competitiva é o tratamento diferenciado para as micro e pequenas empresas previsto pela Lei Complementar 123/2006, que oferece facilidades envolvendo a comprovação da regularidade fiscal, a subcontratação de empresas e a obrigatoriedade de licitar com MPEs em processos de até R$ 80 mil.

O Departamento de Compras (Decon) da Secretaria de Administração e Previdência do Paraná (SEAP) coordena as licitações e tem trabalhado para estimular a participação das micro e pequenas empresas no processo. A diretora do órgão, Maria Carmen Carneiro de Melo Albanske, afirma que o Estado tem realizado compras públicas regionalizadas, especialmente relacionadas a pães, ovos e hortifrutigranjeiros e, para isso, conta com os pequenos comerciantes.

“Temos contado com a participação do Sebrae/PR e do Fopeme para a realização de treinamentos e capacitações, fortalecer essa relação e incentivar a participação desses comerciantes nas compras públicas”, explica.

A empresária Patrícia Marques de Matos Okura, de Londrina, participa de licitações há dez anos e já ganhou cerca de 20 processos licitatórios. Atualmente, ela fornece pães para a Secretaria de Estado de Segurança Pública e fala sobre as vantagens de vender para órgãos públicos.

“Essa sempre foi uma opção interessante para mim, porque se trata de uma entrega diária. Com isso consigo manter a segurança financeira, já que essas vendas fazem parte de uma renda fixa para a empresa durante um período. E, em um momento de crise como o de agora, isso é muito importante”, explica. 

Asimp/Sebrae/PR

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.