Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Mesmo em anos de crise há alguns segmentos que descobrem um nicho de mercado diferente e se sobressaem. O mercado de carnes especiais é um deles. O consumidor está mais exigente e tem buscado mais qualidade nos produtos que leva para a sua mesa.

Os números comprovam que carnes com cortes diferenciados, com melhor marmoreio, e sabor, estão conquistando o paladar dos brasileiros.

A Copcarnes – Cooperativa dos Produtores de Carne, proprietária da marca Quality Carnes Nobres, e sediada em Londrina, aumentou seu faturamento em 18% em 2018 em relação ao ano anterior. A Cooperativa hoje conta com 36 associados e atende o norte do Paraná, vem crescendo neste ritmo há anos.

Diferentemente dos frigoríficos, a Copcarnes tem controle absoluto de todo o processo. “Nós prezamos pela segurança alimentar”, diz o presidente da Cooperativa, o veterinário e criador Toni Garcia. “Nós temos controle do processo de produção que ocorre nas propriedades, na industria que realiza o abate, no transporte até que o produto chegue na mesa do consumidor. Isso dá segurança a todos que fazem parte desta cadeia”, explica Garcia.

Para se diferenciar no mercado, a Copcarnes trabalha com animais produzidos a partir de cruzamentos com raças britânicas como a Angus e Hereford que atingem níveis ótimos de cobertura de gordura e marmoreio. Outro fator que impacta no produto final é a precocidade. “Enquanto no mercado tradicional o abate é realizado em média de 36 a 48 meses, com a tecnologia que usamos, a Copcarne faz o abate com até 24 meses. Produzimos carne saudável, com maciez e sabor diferenciados. E é isso que o mercado de carnes nobres, o segmento gourmet, está procurando”, explica o assessor técnico da Copcarnes, Geraldo Moreli.

O criador também se beneficia, pois não vende o animal em si, mas sim a carne, o que lhe garante um faturamento que chega a 8% maior na comercialização. “Mas não é só isso, no sistema que usamos, o rendimento da carcaça, que no mercado normal é de 52-53%, no nosso chega a 55-57%. Como os animais são precoces, produzimos mais em menos tempo”, explica Moreli.

Claudio Osti/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.