Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O cenário de pandemia desafiou o comércio londrinense, que ainda assim, conseguiu avaliar de forma positiva os resultados das vendas natalinas de 2020.

Entre os dias 28 de dezembro e 5 de janeiro, 108 empresários foram entrevistados em levantamento encomendado pela ACIL e realizado pela Litz Estratégia e Marketing. A técnica de amostragem foi a probabilística.

Dos comerciantes que participaram da pesquisa, 55,5% avaliaram as vendas do Natal como ótimas ou boas, enquanto 33,3% responderam regular e 11,2% disseram ruim ou péssimo.

Quando comparado a 2019, 51,9% revelaram que as vendas foram maiores ou iguais e 48,1% disseram que foram menores que no último ano.

O tíquete médio gasto por presente foi de R$ 137. Os segmentos com maiores tíquetes foram Móveis e Ótica.

“O ano foi muito difícil para o comércio local, que acabou também disputando espaço com grandes marketplaces nacionais, e não podemos deixar de considerar o significativo aumento do número de casos de Covid-19 no mês de dezembro, o que assustou e afastou muitos consumidores das ruas. Mas para um ano tão atípico como foi 2020, o fato de tantos empresários terem sinalizado positivamente sobre suas vendas, já desperta uma grande luz de esperança para a retomada de nossa economia e nosso comércio que sempre foi tão pujante”, ressalta o presidente da ACIL, Fernando Moraes.

Os cuidados com a pandemia também acarretaram algumas mudanças no comportamento do consumidor, que gerou um consumo mais localizado. Do total de entrevistados, 65,5% adquiriram presentes em lojas de bairros.

Já em relação aos segmentos que projetaram melhores vendas no Natal, a pesquisa destacou confecção (53,6%), calçados (50%), ótica (45,5%) e móveis (25%).

Observa-se também que o parcelamento no cartão de crédito é a principal forma de pagamento, responsável em média por 55,7% das vendas feitas. Na sequência está o pagamento via boleto (43,6%), crediário (30,8%), à vista no cartão de crédito (24,9%), à vista em dinheiro/cheque (23%), cartão de débito (22,8%), parcelamento em cheque (20,8%), outros (12%).

A média de parcelamentos em cartão de crédito ou cheque foi de 5 vezes.

O levantamento destacou ainda que 60,2% dos empresários realizaram algum tipo de anúncio, sendo os meios digitais os mais utilizados – Instagram (53,8%) e Facebook (47,7%).

Expectativas

Um possível aquecimento nas vendas do comércio de Londrina pode ocorrer já neste mês de janeiro, visto que 59,3% dos empresários responderam que pretendem realizar liquidação nesse período.

Quanto às expectativas para 2021, 69,4% dos gestores esperam um ano melhor, enquanto 24% aguardam um ano semelhante para a empresa e 6,5% dos entrevistados acreditam que o cenário deve piorar.

O levantamento também buscou saber com os lojistas quando eles acreditam que suas receitas recuperarão o patamar que tinham no período pré-covid. A maioria dos entrevistados acredita que será possível recuperar a receita no segundo semestre deste ano (46,2%). Na sequência vem o primeiro semestre de 2022 (26,9%), o primeiro semestre de 2021 (11,5%), o segundo semestre de 2022 (7,7%) e, por último, o ano de 2023 (7,7%).

Asimp/ACIL

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios