Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Número de famílias que não terão condições de pagar suas dívidas reduziu

Asimp/Fecomércio
 
O índice de paranaenses endividados se mantém estável em novembro, apresentando os mesmos 86,1% registrados na Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) de outubro. As informações são da Confederação Nacional do Comércio (CNC) e da Federação do Comércio do Paraná (Fecomércio PR). Outro ponto positivo é que o número de famílias que não terão condições de pagar suas dívidas reduziu para 10,6%, ante os 11,8% em outubro. Esse percentual é consideravelmente menor nas classes mais altas, chegando a 3,8%, e é de 12,6% nas classes C, D e E.
 
A pesquisa também aponta que o cartão de crédito é o método de pagamento escolhido para o parcelamento das compras de 72,8% dos consumidores. Em relação ao mês anterior, houve crescimento de 4,3% nas dívidas no cartão entre a população em geral. Entre as famílias com renda superior a 10 salários mínimos, esse crescimento foi de 14%. Na avaliação da Fecomércio PR, esse crescimento no endividamento com cartão de crédito demonstra que o consumidor ainda mantém bom nível de crédito.
 
Das famílias endividadas, 44,9% responderam que estão comprometidas com as dívidas por mais de um ano e 15,1% delas informam estar com mais de 50% da renda já vinculada aos débitos.
 
Intenção de Consumo
 
A Pesquisa de Intenção de Consumo das Famílias (ICF), também elaborada pela CNC, traz um percentual otimista em relação à perspectiva do consumidor com relação ao crédito. Para ambas as classes sociais o percentual é de 70% quando questionadas sobre a facilidade na obtenção de crédito.
 
Novembro revela também uma suave queda no indicador do plano das famílias para consumo. O índice de novembro é de 146,8, e em outubro era 151,5.
 
Com relação à situação no emprego, 57,6% dos entrevistados relataram que estão se sentindo mais seguros do que no mesmo período do ano passado, e 45,6% disseram ter uma perspectiva positiva nos próximos seis meses, o que pode explicar a alta no indicador da propensão ao consumo. Entre os entrevistados, os desempregados representam uma parcela de 1,3%.
 
A renda também aponta números positivos, já que 75% responderam que a renda está melhor do que no ano passado. Na questão nível de consumo atual, quase metade dos entrevistados (49,9%), revelou estar comprando mais que no ano passado, contra 24,2% que disseram estar comprando menos.
 

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.