Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O ano de 2019 deve ficar marcado como um ano de poucas greves no Brasil. Segundo um levantamento do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) foram 529 paralisações de janeiro a junho, contra 899 no mesmo intervalo de 2018. Os números representam uma queda de 41% e englobam tanto o setor público quanto o privado.

Segundo especialistas ouvidos pela reportagem do jornal Valor Econômico, publicada no último dia 16/09, uma combinação de fatores é responsável por essa queda no número de greves. E, entre esses fatores está o fim da contribuição sindical obrigatória. A medida, incluída na Reforma Trabalhista de 2017, foi uma proposta do deputado federal Paulo Eduardo Martins (PSC-PR).

Para o deputado Paulo Eduardo Martins, presidente do PSC paranaense, os números indicam que havia uma espécie de indústria da greve, administrada por sindicatos aparelhados. “Muitas vezes, o trabalhador que não concordava com a paralisação, era obrigado a alimentar os piquetes com a sua contribuição, que era feita direto na folha, sem direito de escolha”, declara o deputado. Paulo Eduardo Martins conclui que nunca a ideia foi tirar direitos dos trabalhadores, pelo contrário: “A iniciativa dá ao trabalhador o direito de decidir o que fazer com o seu próprio dinheiro. Quem quer contribuir com o sindicato, que o faça. Mas, os números agora indicam que a maioria não quer e nunca quis. Vitória do trabalhador e do Brasil”.
Fonte:(https://valor.globo.com/brasil/noticia/2019/09/16/crise-e-sindicato-mais-pobre-derrubam-numero-de-greves.ghtml)

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.