Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Indicador de Incerteza da Economia, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), cresceu 14,4 pontos entre maio e junho, e chegou a 142,5 pontos. Segundo a FGV, o clima de incerteza da economia ainda reflete a crise política desencadeada pela divulgação das conversas entre o empresário Joesley Batista e o presidente Michel Temer.

De acordo com a FGV, com o resultado de junho, o indicador volta ao mesmo nível de incerteza vivido no período pré-impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

Dos três componentes que compõem o Indicador de Incerteza, o principal responsável pelo crescimento foi aquele que mede a influência da mídia, que subiu 14,8 pontos. Já o componente que mede a expectativa de especialistas, subiu 11,3 pontos.

O componente que avalia o mercado foi o único que teve queda na incerteza, de 12,1 pontos. Segundo a FGV, a denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra Temer deve estender o período de incerteza por mais algumas semanas.

Agência Brasil

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.