Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A recuperação da economia do Paraná ganhou velocidade nos últimos meses. Indicadores do IBGE, Banco Central, Ministério do Trabalho e outros dados setoriais mostram que o Estado não apenas está em trajetória de retomada, mas que está deixando a crise para trás mais rapidamente do que o restante do Brasil, com bons resultados no agronegócio, na indústria, no comércio, serviços, nas exportações e na geração de emprego.

De acordo com o Índice de Atividade Econômica (IBC-BR) do Banco Central, a economia do Paraná cresceu 2,4% de janeiro a agosto de 2017. O indicador é considerado uma prévia do comportamento do Produto Interno Bruto (PIB). No mesmo período, o Brasil registrou avanço bem mais tímido, de 0,31%. “Nossa convicção sempre foi de que o Paraná venceria a crise num período mais curto de tempo. Fizemos o dever de casa”, diz o governador Beto Richa.

Depois de uma retração de 2,6% em 2016, a estimativa para a economia paranaense era de crescimento de 1,5% em 2017. “Com esse desempenho, devemos em breve revisar para próximo de 2% nossa estimativa de crescimento para o PIB do Estado em 2017”, diz Julio Suzuki Júnior, diretor-presidente do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes), ligado à Secretaria de Planejamento e Coordenação Geral.

Se confirmado, será um crescimento bem maior do que o do Brasil, que deve registrar alta de 0,5% no PIB. “A recuperação, principalmente da demanda interna, vem surpreendendo positivamente, o que tem feito com que o Paraná tenha resultados bem melhores do que a média brasileira”, explica Suzuki.

TRÊS FATORES - Na avaliação do economista e consultor Gilmar Mendes Lourenço, professor da FAE Business School, a economia do Estado vai melhor que a média brasileira devido a três fatores. De um lado, o agronegócio se beneficiou da safra recorde, da boa demanda e dos bons preços internacionais.

A desaceleração da China, principal comprador de produtos paranaenses, foi menor do que a esperada e o gigante asiático já retomou o seu ritmo. “De outro temos a diversificação da matriz produtiva no Estado, com o recente ciclo de investimentos atraídos pelo programa de incentivos Paraná Competitivo, principalmente entre 2011 e 2013”, diz Lourenço.

“Por último temos o ajuste fiscal, que permitiu uma melhora do setor público, com superávit primário e redução da relação entre dívida e receita corrente líquida”, afirma.

AGRONEGÓCIO - Um dos motores da economia do Estado, o agronegócio continuou a crescer mesmo na crise e tem tido, em 2017, mais um ano de recordes. Somente na safra de grãos de verão foram colhidas 24,8 milhões de toneladas - 23% mais do que no ano passado.

Produção que foi exportada, industrializada ou transformada em insumo para a produção de aves e suínos. O Paraná segue como o principal produtor de frango do País e vem expandindo exportações.

“O Paraná tem parte importante da sua base econômica centrada no agronegócio. Nesse ano, a safra foi boa, o dólar não caiu muito, o que favoreceu as exportações, e o mercado interno vem retomando”, diz José Pio Martins, economista e reitor da Universidade Positivo (UP).

“A cada ano cresce o saldo líquido das exportações do setor, a geração de emprego e renda. Os indicadores têm mostrado sinais de recuperação, mas ainda precisamos dar uma resposta rápida para os problemas econômicos do País, como o desemprego”, diz Ágide Meneguette, presidente da Federação da Agricultura do Paraná (Faep).

COMÉRCIO E SERVIÇOS - Se o agronegócio já vinha passando ao largo da crise, setores que tinham sido duramente afetados pela recessão – como a indústria, o comércio e serviços – também mostram reação. A última Pesquisa Mensal do Comércio, do IBGE, mostra que as vendas do setor varejista cresceram 3,2% de janeiro a agosto no Paraná, contra um avanço bem mais tímido, de 0,7%, no Brasil.

Dados do IBGE também demonstram evolução no setor de serviços, um dos mais importantes da economia estadual. O crescimento de janeiro a agosto foi de 4,2%, enquanto em todo Brasil o setor acumula uma queda de 3,8% na mesma base de comparação.

INDÚSTRIAS - Depois de amargar redução das vendas e aumento da ociosidade nas fábricas, a indústria do Paraná aumentou em 4,6% sua produção nos primeiros oito meses deste ano, de acordo com dados do IBGE. O desempenho do Estado está bem superior ao do Brasil, cujo crescimento foi de 1,5% na mesma base de comparação.

O economista Roberto Zurcher, do departamento econômico da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), diz que a recuperação ainda é lenta, mas há quatro meses o faturamento real do setor vem crescendo. Os estoques foram zerados e o índice de ocupação das fábricas está em 70%.

De acordo com Zurcher, a safra recorde teve reflexo tanto na indústria de alimentos quanto na de insumos, como fertilizantes, e de bens de capital, como máquinas e equipamentos. A renda do campo ajuda a movimentar o comércio de tratores e colheitadeiras, por exemplo.

“Outro setor que vai bem é o de produção de veículos que está se recuperando com exportações para a Argentina, principalmente, e com as vendas para o mercado interno. Com a queda na inflação, na taxa de juros e no aumento da geração de empregos, o consumo das famílias voltou a crescer”, afirma Zurcher.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.