Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Estudo do Departamento de Economia da Associação Brasileira da Indústria Gráfica (Abigraf) mostra a relação direta entre a paulatina elevação da Selic e a redução de crescimento do PIB. Além dos juros altos, mantidos na reunião do Copom dos dias 25 e 26 de fevereiro, como um amargo remédio do Banco Central para conter a inflação ante o desequilíbrio fiscal do Estado, este problema crônico do Estado gastar mais do que arrecada e as incertezas quanto à energia elétrica provocam estimativa de queda no volume de impressos em 2014.

A produção física da indústria gráfica brasileira, constituída por mais de 20 mil empresas, empregadoras de aproximadamente 225 mil trabalhadores, deverá recuar 1,7% este ano, depois de quedas consecutivas de 6,7% em 2013 e 4,3% em 2012. No ano passado, os produtos gráficos editoriais, com redução de 12,1%, foram os principais responsáveis pelo resultado negativo, enquanto os impressos comerciais contribuíram para evitar quebra ainda maior, crescendo 3,5%.
 
Essa estimativa pessimista deve-se aos  seguintes fatores: juros altos, a política fiscal inadequada do governo, as incertezas na Argentina, responsável por 8% das exportações brasileiras, a insegurança quanto à oferta e as tarifas de energia elétrica e a nova política monetária dos Estados Unidos. O setor público, incluindo estados e municípios, que sequer cumpriram as metas do superávit primário, não está fazendo a lição de casa da responsabilidade fiscal. Por isso, o governo tem de manter os juros em patamar elevado para segurar a inflação, como tem ocorrido sucessivamente a cada anúncio da taxa anual da Selic.
 
Nesse cenário de incertezas, torna-se mais difícil recuperar a competitividade da indústria brasileira. Não é sem razão que, nos dias que antecedem à divulgação periódica da taxa de juros, os empresários ficam ansiosos e perdem o sono. A fragilização da capacidade de competir, que afeta toda a indústria de transformação nacional, reflete-se também na balança comercial do setor gráfico: em 2013, o déficit foi recorde, atingindo US$ 269,5 milhões, com aumento de 13% em relação aos US$ 238,6 milhões registrados em 2012.    As exportações foram de US$ 279,1 milhões, menos 6% em relação aos US$ 298,1 milhões do ano anterior. As importações cresceram 2%, passando de US$ 536,8 milhões para 548,6 milhões.
 
Quanto aos investimentos em máquinas e equipamentos, de US$ 1,17 bilhão, em 2013, houve recuo de 3% na comparação com o valor de US$ 1,21 bilhão aportado em 2012. Nos últimos sete anos (desde 2007), o setor investiu US$ 9,41 bilhões, o que lhe garantiu atualização tecnológica e qualidade competitiva com qualquer parque gráfico mundial. No entanto, os fatores internos do Brasil dificultam muito a disputa com gráficas de outros países.
 
Os números da indústria gráfica mostram a premência de o governo cortar mais os seus gastos e deixar de colocar toda a responsabilidade do controle da inflação nos ombros do Banco Central, que não tem outro remédio senão aumentar os juros.
 
Fabio Arruda Mortara é presidente da Associação Brasileira da Indústria Gráfica (ABIGRAF Nacional) e do Sindicato das Indústrias Gráficas no Estado de São Paulo (SINDIGRAF) e coordenador do Comitê da Cadeia Produtiva do Papel, Gráfica e Embalagem (Copagrem) da Fiesp.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.