Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O salário médio do menor aprendiz no Paraná é o maior do Sul e do Sudeste do País. Com um rendimento médio de R$ 720,49 em fevereiro, o menor trabalhador paranaense recebeu 28,6% mais do que a média nacional, de R$ 560,46. Os dados, do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e do Emprego, mostram que o Paraná está à frente até mesmo de São Paulo, maior empregador do País, onde a remuneração dessa categoria está em R$ 719,12. 

O Estado também é o que apresenta maior crescimento do salário nas duas regiões. Em relação a fevereiro do ano passado, houve um avanço de 18,8% no valor pago ao menor aprendiz. O Paraná ficou à frente de Estados como Espírito Santo, com crescimento de 10,4% (para R$ 445,23) e Rio Grande do Sul, com incremento de 10,6%, para R$ 490,69. 

“A valorização salarial no menor aprendiz mostra que as empresas paranaenses, de maneira geral, estão interessadas na contratação e formação de seus futuros empregados”, diz Julio Suzuki Júnior, diretor-presidente do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes). 

Quando contratado como aprendiz, o jovem, de 14 a 18 anos, além de receber salário, tem direito à jornada reduzida e a um contrato de aprendizagem e formação técnico-profissional. A validade do contrato de aprendizagem é anotada na Carteira de Trabalho e Previdência Social. Por lei, o contrato não pode ser superior a dois anos e prevê controle de matrícula e frequência do jovem na escola. Suzuki Júnior lembra que esse tipo de contratação ajuda o jovem a ter um ofício e aumenta a inserção no mercado de trabalho. De acordo com ele, a ausência de um ofício é, geralmente, um dos principais problemas para o adolescente conquistar uma vaga. “Por isso que as taxas de desemprego costumam ser mais altas entre a população de menor faixa etária”, afirma. 

Com a crise econômica, mais jovens também têm procurado o mercado de trabalho para completar a renda familiar e o salário mais alto é mais um fator positivo, de acordo com o economista. 

O Paraná tinha, no fim do ano passado, cerca de 140 mil jovens ocupados entre 14 a 17 anos. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua, medida pelo IBGE referente ao quarto trimestre de 2015. 

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.